Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Capitão América & Os Vingadores Secretos #01

Devo assumir que os problemas de calendário ou distribuição da Panini Comics ainda não terminaram, já que Homem de Ferro & Thor #16 (aqui) de agosto chegou uma semana antes de Capitão América & Os Vingadores Secretos # 01 de julho, mas paciência.

A série nacional irá ocupar o lugar de Reinado Sombrio e Novos Vingadores realocando autores e séries americanas. Tira de Reinado Sombrio o artista brasileiro Mike Deodato responsável junto com Brian Michael Bendis pela série Dark Avengers e a série Secret Warriors, que trata de uma longa trama sobre novas equipes de operativos treinados ou orientados por Nick Fury. De Novos Vingadores traz a série Captain America, parceria antiga.

Reinado Sombrio acabou e a série americana Dark Avengers, idem. A série Thunderbolts segue sua trajetória nesta A era heróica em Universo Marvel.

A edição de estreia vem com Secret Avengers #01 (julho de 2010) e a primeira parte de Histórias Secretas por Ed Brubaker (Captain America) e Mike Deodato. Steve Rogers, que atualmente é o Chefe de Segurança dos EUA e não mais o Capitão América reúne Valquíria, Viúva Negra, Cavaleiro da Lua, Fera, Máquina de Combate e Nova para formar uma equipe que irá trabalhar me sigilo, um grupo de assalto para agir quando a diplomacia não resolveu e o sigilo é necessário. Neste primeira edição a apresentação dos personagens e a necessidade de tomar posse de uma Coroa da Serpente.

A série promete bastante, já que os autores são mais do que hábeis.

Ed Brubaker continua na segunda história da revista impressa originalmente em Captain America #606 (agosto de 2010) com a primeira parte do arco Sem saída com arte de Butch Guice. Barão Zemo descobre que Bucky está agindo como Capitão América e decide vingar-se do jovem, sem saber que o atual Capitão está enfrentando uma série de auto-confiança por ter atirado no Cap dos anos 1.950. Participação de Falcão e Steve Rogers.

A edição termina com Secret Warriors #17 por Jonathan Hickman e Alessandro Vitti. A história é simpática. Dum Dum Dugan e Sitwell são convocado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas para darem explicações sobre um recente ataque a uma base Hidra na China. O ataque e a reunião com Nick Fury são contados em flashbacks e a história se sustenta bem no quesito de tensão política e de interesses e aparências conflitantes.

Certamente é uma boa edição de estreia e vale a curiosidade de acompanhar a série.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…