Pular para o conteúdo principal

Batman: Os três fantasmas de Batman

Grant Morrison (roteiro) constrói uma história intermediária, daquelas criadoras de cenário para serem explorados depois (veja o review de A fúria dos reis aqui – para saber do que escrevo). No arco, Bruce Wayne envolve-se com Jezebel Jet em um estilo que lembra as sequências de abertura dos filmes da cine-série James Bond, enquanto em Gotham City inicia-se um trama aparentemente comum de um policial que, alimentado de veneno (a substância química do Bane) e soro monstro (a substância química de Hugo Strange), torna-se um violentador e assassino de mulheres. Por motivos não claros, a corporação decide manter os crimes por baixo dos panos e o prefeito pressiona o Comissário a não evidenciar esforços para solucionar o caso.

Quem estaria pressionando o prefeito a interferir no caso?

Batman, surtando sob efeitos de morfina, crê que viu uma relação entre o policial que atirou no Coringa no primeiro arco (aqui), este que se tornou um monstro e um terceiro, ao qual ele busca. Em vários momentos da passagem de Morrison nota-se um sub-texto de drogas abrindo as portas da percepção do homem-morcego, usado de maneira tão sutil que nem as associações de classificação de quadrinhos conseguem ver a dica.

No fim resta a pergunta quem é o terceiro fantasma de Batman? Ou seria apenas delírio?

De pano de fundo, a necessidade de Robin (Tim Drake) em se provar para Batman, a recuperação de Talia e Damian e o ódio desta por Jezebel, além de mais grafites com “Zur en Arrh” pelas paredes de Gotham, mas a equipe de arte (Andy Kubert e Jesse Delperdang) cria uma falsa poluição visual para que o leitor imagine que são apenas grafites aleatórios e nada mais.

Originalmente publicada em Batman #664-665 (maio e junho/2007) e traduzido no Brasil pela Panini Comics em Batman #66-67 (maio e junho/2008).

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!