Pular para o conteúdo principal

Batman: Os três fantasmas de Batman

Grant Morrison (roteiro) constrói uma história intermediária, daquelas criadoras de cenário para serem explorados depois (veja o review de A fúria dos reis aqui – para saber do que escrevo). No arco, Bruce Wayne envolve-se com Jezebel Jet em um estilo que lembra as sequências de abertura dos filmes da cine-série James Bond, enquanto em Gotham City inicia-se um trama aparentemente comum de um policial que, alimentado de veneno (a substância química do Bane) e soro monstro (a substância química de Hugo Strange), torna-se um violentador e assassino de mulheres. Por motivos não claros, a corporação decide manter os crimes por baixo dos panos e o prefeito pressiona o Comissário a não evidenciar esforços para solucionar o caso.

Quem estaria pressionando o prefeito a interferir no caso?

Batman, surtando sob efeitos de morfina, crê que viu uma relação entre o policial que atirou no Coringa no primeiro arco (aqui), este que se tornou um monstro e um terceiro, ao qual ele busca. Em vários momentos da passagem de Morrison nota-se um sub-texto de drogas abrindo as portas da percepção do homem-morcego, usado de maneira tão sutil que nem as associações de classificação de quadrinhos conseguem ver a dica.

No fim resta a pergunta quem é o terceiro fantasma de Batman? Ou seria apenas delírio?

De pano de fundo, a necessidade de Robin (Tim Drake) em se provar para Batman, a recuperação de Talia e Damian e o ódio desta por Jezebel, além de mais grafites com “Zur en Arrh” pelas paredes de Gotham, mas a equipe de arte (Andy Kubert e Jesse Delperdang) cria uma falsa poluição visual para que o leitor imagine que são apenas grafites aleatórios e nada mais.

Originalmente publicada em Batman #664-665 (maio e junho/2007) e traduzido no Brasil pela Panini Comics em Batman #66-67 (maio e junho/2008).

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…