Pular para o conteúdo principal

DC faz reboot... novamente!, Parte 4: Por quê?

Antes de partir para lista as equipes, cujas listas de atualizações podem facilmente serem encontradas nos sítios UniversoHQ, Omelete e Action & Comics, vou comentar a questão primordial: não há necessidade de reboot!

Os quadrinhos há anos aprenderam com os livros de Ian Flemming que não é necessário reiniciar seus universos, basta “esquecer o que foi escrito”.

Simples e eficiente.

Em termos genéricos Flemming citava personagens, organizações e acontecimentos, mas não continuava a mesma linha narrativa, apenas dava sequência à história do personagem principal. Não raro usava somente o personagem principal, já que seria ruim para ele obrigar aos leitores ler todos os livros escritos antes daquele.

Há diversas histórias em sequências famosas. O senhor dos anéis, As Crônicas de Nárnia, As Crônicas de Fogo & Gelo (que deu origem à Game of Thrones) ou mesmo nos quadrinhos Os Supremos, Poder Supremo e diversas dezenas de passagens de escritores nos títulos mensais. Se for citar as passagens posso começar com Demolidor de Frank Miller, com Thor de Walt Simonson, Quarteto Fantástico de John Byrne, Superman de John Byrne, a Liga da Justiça de Keith Giffen, o Batman de Greg Rucka. Quando as fases – ou os contratos – terminaram, demos adeus e continuamos nossas vidas.

Explico. Quando Jeph Loeb foi contratado para escrever Superman, depois de As quatro estações, ele pegou o conceito geral do herói, os coadjuvantes, os vilões, o cenário e realinhou de acordo com a sua perspectiva, somada aí a experiência dos editores e outros autores do homem de aço, já que neste caso é um personagem especial para a indústria.

Mesmo introduzindo um cenário diferente (uma Metropolis evoluída mil anos) e mudando personagens para que eles refletissem a sua visão de mundo, Loeb não necessitou que a DC Comics reiniciasse o personagem do zero e obviamente não deu continuidade explícita ao que um argumentista anterior estava fazendo, até por que não estava funcionando, se estivesse funcionando ele não seria chamado para consertar.

É raro, talvez raríssimo, que um escritor famoso como Ed Brubaker, já bastante famoso, aceite dar continuidade narrativa ao que Brian Michael Bendis estava fazendo em Demolidor. Já, Andy Diggle, um escritor menor em termos de fama, tinha que receber o Demolidor como estava e ver o que era possível fazer diante das limitações impostas.

Em geral apenas se esquecem o que fizeram antes dele.

Tem uma história clássica do Quarteto Fantástico que cita Ben Grimm (o Coisa) e Reed Richards (o Sr. Fantástico) juntos na Segunda Grande Guerra. O Quarteto Fantástico foi criado em 1.961 e os personagens tinham caracterizações de pessoas “maduras” - eufemismo para velhas, perdão – então seria admissível que 17/18 anos antes Grimm e Richards, no início de suas vidas adultas, talvez com 20 ou 25 anos tivessem lutado na Guerra nos momentos finais ou mesmo a partir de 07 de dezembro de 1.941. Sem leitores chatos para fazerem as contas e descobrirem que os personagens estavam no berçário, a história foi publicada, serviu ao seu propósito máximo de entreter jovens durante 10 ou 15 minutos e anos depois a Marvel deixou de citá-la. Não quer dizer que ele não exista. Ele existe! Simplesmente quer dizer que ninguém mais se importa com ela ao ponto de todo um cânone ser estabelecido a partir deste evento.

Ou seja diferente dos livros em série, onde um evento puxa outro, que puxa outro, e mais outro, os quadrinhos são feitos para puxarem eventos por, no máximo, um período de tempo variável que se reflete no contrato de uma personalidade como autor ou artista. Grant Morrison, escritor de Batman, usa os eventos de antes de sua passagem. Ele cite que houve um Terremoto, que houve a exclusão de Gotham City do território dos EUA e que houve uma reunificação, mas fala de maneira genérica, usando um balão de texto para explicar todo o complexo evento que houve antes, assim “explica” mas não cansa.

Em função desta facilidade de seguir em frente, e que fique bem claro não é somente dos quadrinhos mas também dos livros, filmes e séries de TV, não há necessidade alguma de haver reboots. Ninguém está dando continuidade às tramas de John Byrne em Superman (ele encerrou sua passagem em 1.989), mas no máximo citando este ou aquele personagem que fez sucesso durante aqueles anos, como a policial homossexual Capitã Swayer, que anos depois migrou Gotham City.

Em função de toda esta argumentação é que sustento que nenhum universo necessita de reboot. Querem contar histórias do início de maneira diferente? Façam uma minissérie ou uma série regular com este objetivo. Querem colocar uma nova equipe em um personagem com estardalhaço? Simplesmente deem sequência à numeração ou, de acordo com os princípios do mercado, ou a falta deles, reinicie a série e não o universo.

Não necessitamos de reboots!






Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…