Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [1x04] - Cripples, Bastards and Broken Thinks

No domingo 29 de maio de 2011, foi exibido no HBO Brasil o quarto episódio da primeira temporada da série de TV, Game of Thrones, cujo título em tradução livre é “aleijados, bastardos e coisa quebradas”.

Neste mesmo dia foi ao ar nos EUA o sétimo episódio da temporada, que terá apenas dez.

De volta da muralha Tyrion Lannister, o “Duende”, passa por Winterfell, para levar à Bran lembranças de Jon Snow e oferece um projeto de sela de cavalos para o jovem, que ficará paralítico pelo resto de sua vida. Seguindo para Porto Real Tyrion será capturado ao final do episódio por uma colérica Lady Stark, que o responsabiliza pela tentativa de atentado ao filho enquanto estava em coma, já que foi sua adaga a arma encontrada segundo Mindinho.

Na Muralha, Jon Snow, o filho bastardo de Ed Stark auxilia no treinamento de vários rejeitados da sociedade e toma como “protegido” o obeso e covarde Samwell Tarly. Apesar de pouca utilidade no combate, Tarly tem um raciocínio claro – ou pelo menos, pouco confuso comparado aos outros rangers – e dará bons conselhos ao jovem Snow.

Além do Mar Estreito, à medida que Daenerys Targaryen se sente mais aclimatizada com seu novo status de khaleesi, seu irmão enlouquece com a inação, chegando a atacá-la e exigir o cumprimento do acordo de casamento: a mão da irmã em troca de exércitos para atacar Porto Real. Com isso Viserys, afeminado e interesseiro torna-se o personagem que todos amam odiar na série.

Em Porto Real, Stark tenta seguir a pista que seu antecessor no cargo de mão do rei seguiu... e morreu! Ele começa a procurar os bastardos de Robert Baratheon – e acredite são vários! - e toma posse dos livros que Jon Arryn estava a ler pouco antes de morrer, procurando uma luz sobre alguns assuntos.

É feita uma festa para honrar o novo mão do reino e durante o primeiro duelo morre o ajudante de ordens de Arryn, pessoa de sua confiança e que graças as insinuações de Petyr "Mindinho" Baelish, Stark agora acredita que o acidente foi uma “queima de arquivo”.

Mais um grande e esclarecedor episódio. Vale a pena acompanhar a série!


















Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…