Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [1x02] - The Kingsroad

No final do primeiro episódio da série de fantasia medieval Game of Thrones o jovem Bran, filho de Ned Stark, escala rotineiramente o castelo e depara-se com um casal em cópula, sendo atirado momentos depois para a queda livre pelo homem do casal, pouco antes de seu pai e a comitiva real seguirem para Porto Real.

Ele descobriu um segredo importante e mesmo em coma, com poucas chances de recuperar-se, o casal adúltero envia um assassino para terminar o serviço (não há segredo na série de quem é o casal, apenas não disse aqui para não estragar a surpresa dos espectadores).

Lady Stark consegue fazer frente ao assassino até a chegada de um dos lobos gigantes que em defesa do seu senhor em coma mata o vilão. Os lobos gigantes são símbolos da família Stark e raramente são encontrados ao sul da Muralha, no primeiro episódio, Stark encontrou seis, divididos entre seus cinco filhos legítimos e Jon Snow, o ilegítimo, criado no Palácio.


Por sua vez, Jon segue para a Muralha onde irá se filiar à “Patrulha da Noite” e “vestir negro” - uma expressão criada para identificar a vestimenta dos patrulheiros e também para identificar o distanciamento destes de suas antigas vidas. Segue com ele, para conhecer a mítica Muralha, o anão da família Lannister, irmão mais jovem da Rainha Cercil e popularmente conhecido como Duende.

Daenerys consegue descobrir as artes do sexo e domar Khal Drogo, líder dos Dothraki, iniciando uma recomposição de seu personagem na série: de menina dado em casamento a um bárbaro em troca de poderio militar, passará em pouco tempo a ser a khaleesi (uma equivalente a rainha).

A caminho de Porto Real um desentendimento entre Arya, Sansa – filhas de Ned – e Joffrey – filho de Robert – deixa claro a quem o garoto puxou (covarde, fraco, manipulador e vingativo): sua mãe. Ferido pelo lobo que protege Arya, a rainha não se contêm em matar o lobo gigante de Sansa (dada em casamento à Joffrey e realmente enamorada dele), enquanto o guardião do príncipe mata o filho do carniceiro que brincava com Arya.

Ao assumir a responsabilidade de matar o lobo, Ned Stark sofre e lamenta as escolhas a que é obrigado como “mão do rei”. No momento em que mata o lobo, Bran acorda do coma em Winterfell. Sua mãe, Lady Stark, já havia seguido secretamente para Porto Real de modo a informar Ned, da queda e do ataque do assassino.

The Kingsroad, o segundo episódio de Game of Thrones será exibido no próximo domingo 15 de maio no canal por assinatura HBO.




Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…