Pular para o conteúdo principal

100 números depois!!!

A primeira vez que iniciei uma série de quadrinhos foi quando a Editora Abril comprou parte dos direitos da Marvel e iniciou com Heróis da TV, Capitão América e Tumba de Drácula em 1.979. Não é a primeira vez que comprei quadrinhos para mim, pois já acompanhava esporadicamente Homem-Aranha, Hulk, Ken Parker e alguns personagens infantis (os ditos “animais engraçados”), além da Turma da Mônica, Luluzinha & Bolinha, e mais alguns que os anos não me permitem lembrar.

A editora que dominou meu coração – a DC Comics – eu só viria a conhecer nos últimos lançamentos da EBAL em 1.981/82/83 e só passaria a comprar regularmente quando a Abril adquiriu o controle sobre esta editora depois de quatro décadas com a família Aizen. Culpar a Abril pelos erros e acertos é chover no molhado. De uma forma ou outra a DC esteve regularmente nas bancas brasileiras durante dezoito anos. Talvez este ou aquele personagem não teve a atenção necessária (ah, a Legião, sempre a Legião...) mas isto também já é assunto morto.

No início dos anos 2.000 a Abril não renovou a licença para publicar a tradução dos gibis DC Comics, em função de já ter perdido os direitos da tradução da Marvel Comics e seis meses depois a Panini Comics decidiu acrescentar a linha ao seu catálogo, que já tinha a Marvel.

Houve erros e acertos também. Com apenas três títulos iniciais a DC não tinha a variedade de personagens que possuia a Marvel nas bancas. As linhas Vertigo e Wildstorm estavam fatiadas entre várias editoras que trabalhavam com tiragens muito baixas e preços pouco competitivos. A Panini lentamente (muito lentamente, diriam alguns) arrumou a casa e conseguiu ampliar um pouco a linha. Nota-se claramente que as ampliações da DC não se tornaram definitivas, enquanto as da Marvel permanecem, mas aí já é outro assunto. Nota-se também a velha estratégia usada tanto na Marvel quanto na DC de, em casos de edições com quatro histórias, uma geralmente era um título inferior e criticado pelos leitores. Hoje com três histórias alguns leitores questionam a objetividade de publicar Supergirl (em Superman), Streets of Gotham (em Batman) ou Sirens of Gotham (em A sombra do Batman): todos são títulos secundários que deveriam serem sacrificados em prol dos títulos de maior relevância.

Completar cem números publicados (oito anos e quatro meses), é um feito. A EBAL reiniciava na numeração de suas séries ao chegar ao número cem; a Abril zerava quando era conveniente. A maior numeração ainda pertence à Abril (147 edições de Super-Homem), mas com a vinda de mais um filme do homem-morcego (Dark Knight Rises), um do homem de aço e um possível da Liga da Justiça é certo que estas séries tem uma sobrevida mínima de mais 24/36 meses antes que uma nova crise mercadológica obrigue a editora a reavaliar a publicação.

Claro que como leitor antigo tenho dúzias de sugestões que acho relevantes, mas devo confessar que a Panini foi além publicando encadernados como a série Archives (erroneamente referindo-se à outra série chamada Chronicles) em capa dura e com certa regularidade. Não deu certo e a Panini retirou do mercado não somente os Archives (da DC) como os Masterworks (o mesmo material clássico em capa dura, porém da Marvel). Acredita-se que com a proximidade dos filmes (X-Men – Academy X-Men, Thor, Captain America the first avenger, Spider-Man, Green Lantern, Dark Knight Rises, Superman, Avengers, Justice League) a editora retome a linhas de capa dura clássicas.

Cheia de acertos e erros a trajetória das séries em quadrinhos da DC nas mãos da Panini é superior à trajetória nas mãos de outras editoras. Com cem edições de Batman, Liga da Justiça e Superman publicadas é o momento de apagar as velinhas e desejar “boa sorte”.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…