Pular para o conteúdo principal

Universo DC: Legados

Poucas séries nos últimos anos podem ser aconselhadas aos novos leitores sem ressalvas visto que o emaranhado cronológico impede que os neófitos se aproximem dos quadrinhos.

É com orgulho que indico a série escrita por Len Wein (Monstro do Pântano, Hulk, criador do Wolverine) como uma grata surpresa. A Panini como sempre ignora o potencial ainda que faça publicidade discreta na seção lançamentos.

Legados, escrita por Wein e desenhada por vários traça uma linha cronológica por surgimento dos heróis da DC Comics desde 1.935 e consegue sem nenhum esforço tornar crível que estamos acompanhando as memórias de um policial aposentado que era um garoto em '35.


Ao longo dos anos, apaixonado pelos heróis e maravilhas ele nos apresenta o surgimento do Vingador Escarlate, Átomo, Sandman, a Sociedade da Justiça e de seus membros, o encerramento das atividades nos anos 1.950, o surgimento dos Sete Soldados da Vitória, dos Desafiadores do Desconhecido, dos Demônios do Mar, dos heróis de ficção científica como Adam Strange, o Homem-Mineral-Vegetal-Animal (é verdade!), o Ranger do Espaço, a Liga da Justiça e todos os seus membros como Superman, Batman, Mulher-Maravilha, Aquaman, J'Onn J'Onzz o Caçador de Marte, a Turma Titã, a Patrulha do Destino, o Arqueiro Verde, os heróis da Charlton Comics, Os Novos Titãs e as Crises da DC Comics.

Desenhado por como Andy Kubert, Joe Kubert, JH Williams, Dave Gibbons, José Luiz Garcia Lopez, Walt Simonson e George Pérez, Universo DC: Legados é uma oportunidade única para os leitores conhecerem a rica cronologia da DC Comics de forma linear e é imperdível pela capacidade dos criadores envolvidos além da qualidade do produto entregue ao cliente.

Produzida pela comemorar os 75 anos da DC Comics a série deveria ter sido publicada em terras tupiniquins em um encadernado de capa mole, talvez em duas partes, mas certamente vinculado às comemorações do aniversário da editora.






Espectro by George Pérez









Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…