Pular para o conteúdo principal

A pilhéria do petralha!

Reinaldo Azevedo é colunista de VEJA e como grande parte da imprensa adora falar mal de Lula e dos oito anos de ladroagem e dissimulação que o Brasil passou.

Junto com Diogo Mainardi, Gustavo Ioschpe e Roberto Pompeu de Toledo é uma das melhores coisas da revista.

Com opinião formada e indiferente aos supostos avanços sociais de dezesseis anos da Era PSBD-PT ainda que claramente de tendência “social-democrata”, e lendo-se aí somente que é simpático às políticas adotadas no período de FHC – aquele que privatizou com dinheiro do BNDES ou que fez um acordo vergonhoso no quê se refere a outra série de escândalos, Reinaldo fez um livro em que lavava a roupa suja do PT e de alguns meliantes que haviam na agremiação (como em todas).

Criou um neologismo “petrala” para referir-se às estes simpáticos senhores, misturando PT e Metralha, uma família de criminosos dos quadrinhos Disney.

Não foi que um tradutor da Panini usou a expressão para dar voz à Batman! E não foi que a coisa bombou na net, até por que não há coisa boa real para se discutir nos quadrinhos atualmente?

Claro que tudo tem relação com os ânimos exaltados dos membros da agremiação que esqueceram dos roubos, dos dossiês, dos dinheiros em Bíblias e roupas íntimas masculinas.

Claro que tudo tem relação com uma população que vota em um palhaço que é famoso por uma canção (?) racista.

Claro que tudo tem relação com nosso descaso com o governo.

Mas que é engraçado é! Quem sabe agora o neologismo “pega” de verdade?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…