Pular para o conteúdo principal

A militarização dos quadrinhos II: DC Comics e as Fábulas (!?!)

Já na DC Comics não há um personagem militar com tamanha importância. Não me diga Sargento Rock, por que o herói militar não tem o mesmo peso do Cap da Marvel. As histórias de guerra da DC Comics sempre foram uma constante e geralmente tratavam do soldado anônimo – por favor, não confunda com o Soldado Desconhecido, da mesma editora – o sujeito que fazia o supremo sacrifício para criar a derrota dos adversários.

As séries de Rock e do Soldado Desconhecido, apesar de longevas conseguem refletir apenas o momento da 2ª Grande Guerra, apesar de várias tentativas de mostrar o Soldado Desconhecido em outro contexto. Curiosamente o mercado percebeu a falta de um título de guerra quando do encerramento original de Sargento Rock e Soldado Desconhecido e surgiu na Marvel a série The 'Nam (aqui, O conflito do Vietnã). Após o esgotamento desta e das releituras dos personagens da guerra da DC percebeu-se que os personagens estavam ultraviolentos, num processo que começou com O cavaleiro das trevas e Watchmen, e infelizmente se estendeu por toda a indústria.


Apesar de não não ter um personagem militar de grande expressão a DC Comics os tem disfarçados. Batman nada mais é do que o fascista máximo, ou se poderíamos compor a expressão “o fascista esclarecido”. Pululam no universo ficcional da editora organizações claramente militares como A Tropa dos Lanternas Verdes, a L.E.G.I.Ã.O., isto sem contar os exércitos constantes de Rann, Thanagar ou braços avançados de organizações militares como a Legião dos Super-Heróis, que abertamente possui um “esquadrão de espionagem”, formado por membros que podem facilmente se disfarçarem como, entre outros, Camaleão, Etérea e Violeta.

Nem mesmo a série Fábulas foge à militarização. Na trama as fábulas fogem de suas terras originais – chamadas Terras Natais – que são tomadas sob o domínio do Adversário. Há inclusive a estruturação clássica da editora, na figura de múltiplos universos e dimensões alternativas. Cada fábula vive numa versão da Terra que passa a ser dominada pelo vilão da trama.

O caráter militar da série se concentra após o terceiro ano nos arcos Terras Natais, Filhos do Império, O bom príncipe e Guerra e Pedaços (este nas edições #73-75). No geral as fábulas fazem respostas militares ao avanço do inimigo e dão o troco.


Como no Brasil a Panini traduziu apenas Terras Natais não me adianto nas tramas, mas noto que a troca da macro-história fica evidente. Nos primeiros três arcos ficava claro que a história era do dia a dia das fábulas vivendo no mundo comum e das pilhérias que isto poderia render.

Mesmo a contratação de Mark Buckingham como artista, o quê deu um tom mais nostálgico e idílico à série a partir do segundo volume em substituição à Lan Medina um artista padrão de super-heróis do mercado, não impediu o claro estabelecimento da trama de enfrentamento do Adversário e se possível de reconquista do território perdido.

Muito mais paranóica que as tramas da Marvel envolvendo Guerra Civil, Invasão Secreta, Reinado Sombrio e O cerco, é o processo de transformação dos personagens das fábulas, não daquilo que conhecemos das lendas e folclores, mas daquilo que é apresentado no início da série. Se a piada máxima do casal “Bela e Fera” era o fato de que não “desapaixonar-se” pelo seu “príncipe” ele voltava a ter aspecto animal, a partir da mudança da macro-trama entendemos Bela como uma competente administradora pública e Fera como um curioso aprendiz da arte da espionagem.

Buckingham que já havia trabalhado anteriormente em Uncanny X-Men deixa claro em vários momentos a inspiração visual de Bigby Lobo em Wolverine & Nick Fury e não toma liberdade alguma na Fera, mas ao vê-los juntos fica-se com a impressão do agente secreto supremo, Nick Fury, ensinando seus passos a um aluno que poderia realmente aprender.

Nem ao trapaceiro Princípe Encantado é possível odiar. Ganhou uma eleição com uma plataforma baseada em uma mentira, mas curiosamente aos quadrinhos cresce como personagem e aprende administrar, ainda que deixe claro que não é sua praia. Logo torna-se um estrategista de primeiro e decisivo para o perfil da investida militar que farão.

Imperdível e merece várias análises!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…