Pular para o conteúdo principal

O fim da censura

A DC Comics, a Archie Comics e a Marvel Comics (está desde o início da década passada) não estão mais submetidas à censura do Comics Code Authority.

E daí?

E daí nada! É como o fim da WildStorm! Ninguém se importa!

Sem um órgão externo de censura as editoras criaram e criarão seus próprios. Mas a sociedade não reagiu a isto. Ninguém queimou revistas, revistas não foram banidas de bibliotecas e o assunto não saiu além do “meio” dos quadrinhos.

Ou seja: ninguém se importou!

Com vendas em queda há décadas, ninguém dá muita importância se Coringa pode ou não sugerir a homossexualidade de Robin em uma série mensal. Por sinal o assunto já se esgotou tanto que perdeu a graça.

Num mar de lançamentos os pais não se dão ao trabalho de verificar o quê os filhos leem. Quem se importa com indícios de violência e sexualidade reprimida nos quadrinhos, se a novela da seis há algo pior; se no Jornal Nacional há ataques terroristas e desastres naturais que fariam corar os autores; se na novela das nove e programas posteriores a sexualidade é tratada como cota para impressionar os telespectadores? Agora ao fazer um programa você tem que somar homossexuais, transgêneros, pessoas de difícil trato social e diversos não como uma forma de representar a sociedade, mas de causar impacto para conseguir a audiência.

O silêncio diante da saída da DC do Comics Code significa não somente que a autoridade censora já não tinha nenhuma força de fato, mas verdadeiramente que ninguém se importa com o destino de revistas em quadrinhos além da velha “meia dúzia de três ou quatro gatos pingados” que sempre esteve comprando e sempre comprará.

É uma jogada de marketing? É! Mas no final também o é um último ato desesperado para não ceder à Hollywood. Agora e daqui para frente hq's serão produzidas apenas para produtos para tenham visibilidade no cinema e na TV. O resto será feito para os carneiros, que aceitam o sacrifício em silêncio.

Me lembrou uma velha história da Mulher Hulk escrita e desenhada por John Byrne em que ele satiriza o CCA e as revisões do código. Procurem em suas coleções.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…