Pular para o conteúdo principal

Vingança Negra

Escrito por Geoff Johns, com arte de Don Kramer (#73 e 75) e Leonard Kirk (#74) e arte adicional na edição #75 de Leonard Kirk e Stephen Sadowski, com finais de Keith Champagne com a ajuda de Michael Bair na edição 75, Vingança Negra não é um arco para neófitos. É, na verdade, a conclusão de tudo que vinha sendo feito na série até o momento e tinha ligações com Dia da Vingança e Vilões Unidos, duas séries que receberam a alcunha de eventos que precediam a Crise Infinita.

Sintetizando muito a coisa, já que vou voltar aos eventos no futuro, em Vilões Unidos os criminosos do Universo DC, a exemplo do que já aconteceu no passado, voltaram a unir-se para fazer frente aos heróis. A união, é claro, terminou mal devido às agendas próprias de cada vilão. Em Dia da Vingança, Espectro novamente sem um vínculo humano, decide atacar todos os personagens de magia da editora.


Vingança Negra transcorreu em JSA #73-75 (esta última, uma edição dupla) e começa com a votação pelo retorno do Esmaga Átomo à equipe. Meses antes, ele havia abandonado por simpatia à Adão Negro e durante este período cometeu homicídio. Para Albert Rothstein, o Esmaga Átomo, é muito importante a aprovação dos colegas de seu padrinho o Átomo original – e não faça como a Panini que frequentemente come pança na tradução, já que o segundo personagem chamado Atom da DC Comics foi traduzido no Brasil como Elektron; e por isso, constantemente a editora-tradutora chama o “Átomo” de “Elektron” observe em Vingança Negra e em Reino Sombrio.

Albert sonha em novamente ter a aprovação daquelas pessoas e pagar pelos seus erros.


Adão Negro retorna rapidamente aos EUA pouco antes do resultado misterioso e leva o herói de volta à Kandaq para ajudá-lo a enfrentar o Espectro.

Espectro, influenciado por Jean Loring, atualmente a Eclipso do Universo DC – para mais detalhes sobre Jean Loring veja Crise de Identidade, e não diga que não avisei que era um arco cheio de ligações -, ataca a Vingadora Escarlate, Sr. Destino & Fúria e o país de Teth Adam. Note que Fúria, ao ser atacada está lendo “Endless Dreams”, uma referência sutil à série Sandman, ao qual indiretamente ambos estiveram envolvidos.


O mago Shazam em sua Pedra da Eternidade – onde estão aprisionados os setes inimigos mortais do homem e o vilão místico Mordru – convoca Capitão Marvel para atacar auxiliar a equipe. Mal sabe o mago que o Espectro irá atacá-lo na série Dia da Vingança.

Adão leva Albert, a quem considera um amigo, mas não calcula que a SJA irá atrás do rapaz, algo que não demora a acontecer e que faz com que o antigo campeão do mago Shazam enfrente a equipe, o atual campeão – o Capitão Marvel – e a dupla Espectro & Eclipso. Com tantos inimigos, Adão só tem a perder.

Durante a batalha, Jakeem e o Relâmpago são enviados para a 5ª Dimensão (nenhuma relação com a série de TV homônima, que no original chama-se Outer Limits, esta dimensão é a dimensão de origem do duende Sr Mxyzptlk).

Também durante a batalha a Poderosa perde o controle de seus poderes, como resultado das modificações que seriam inseridas na personagem.

Incapaz de realmente fazer frente ao Espectro, Albert aceita ser julgado pelas leis extremistas do espírito da vingança em troca da salvação de Kahndaq.

Após o julgamento, Albert fica às portas da morte e questiona à Courtney o resultado a eleição (ele seria aceito na equipe) e recebe a visita de Per Degaton (que havia jurado visitar o momento da morte de todos os membros da equipe).

Adão Negro vendo o amigo morrer invoca o poder do mago, mesmo sabendo que momentaneamente estaria à mercê dos heróis e através da eletricidade consegue salvar Esmaga Átomo, mas a SJA decide não abrir mão do companheiro e exige levá-lo de volta à América.

Veja aqui outros arcos da série JSA.




Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…