Pular para o conteúdo principal

The Legion vs. Robotica

Novamente a simplicidade da trama e sua óbvia inspiração no passado contrasta com o resultado final, bastante atual e interessante.

O arco mostrado em The Legion #10-14, com um prólogo na edição #9 mostram que Dan Abnett & Andy Lanning sabiam aonde queriam levar a Legião dos Super-Heróis do século XXXI.

Na edição #09 (agosto de 2002), um interlúdio cômico, temos Apparation & Timber Wolf às voltas com o bebê da moça e de Ultra boy – atualmente apaixonado por Saturn Girl e desconhecendo a existência do menino. A arte é de DeStefano e a edição ajuda a cimentar o mal uso dos clones de Gates.

Mas o arco trata mesmo é da invasão da raça Robotica, uma espécie de seres máquinas, que já havia destruído o planeta Xanthu (lar de Star Boy e Kid Quantum), e que ruma para a Terra. Próximo ao nosso mundo usa tecnologia semelhante ao conceito do fax – envio de sinais à distância para um receptáculo - para se manifestar por aqui, usando o corpo de Thalok dos Fatal Five.

A raça contamina o “terraformers” criados por Ra's Al Ghul, que compreendem as máquinas como a próxima evolução para a raça humana.

Para fazer frente à raça que aprisionou a Terra em um campo protetor intransponível a Legião usa o Legion World e o Mundo Bélico – que durante o evento Mundos em Guerra ocupou o espaço de Plutão.

A grande surpresa – nem tanto, mestre... - fica pelo fato que Computo é o responsável pela criação da raça Robotica e que deseja evoluir. Há meses o computador criado por Brainiac 5 estava disfarçado como Sr. Venge. A relação dele com Brainiac 5 lembra em muito um adolescente birrento tentando chamar a atenção de seu pai.

Nota-se a agenda dos coluanos que temem este próximo estágio evolucionário da raça robôtica – o medo que uma escravidão de eras antes, veja os números iniciais da série L.E.G.I.O.N. em 1.989 – e desejam eliminar a ameaça mesmo ao custo da Terra. Um pesquisadora enviada por Colu desaparece em ação ao tentar matar Brainiac 5 e destruir Computo.

No início da trama Kid Quantum é eleita a líder da Legião e Ayla Ranzz – a Sparks – assume seu lugar no Live Wire, homenageando seu irmão, apesar de ter que ficar à torta e à direito lembrando Kid Q para não chamá-la de Sparks.

Umbra, cujos poderes falharam no arco anterior retorna ao seu mundo natal. Timber Wolf é convidado por RJ Brande para ingressar na equipe.

No final do arco Ultra boy – cuja sogra (a mãe da Apparition) é a presidente da Terra – finalmente encontra Apparation e o bebê.

Texto Dan Abnett & Andy Lanning, finais de Lanning e arte de Olivier Coipel e Kev Walker.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…