Pular para o conteúdo principal

Heartbreak Soup (Crônicas de Palomar)

A edição da Editora Record
Criada por Gilbert Hernandez e publicada na série Love & Rockets junto com material de seu irmão Jaime Hernandez, Heartbreak Soup (Sopa de pesares ou Sopa para corações partidos, uma referência à uma sopa feita por uma personagem para que seu coração “endureça” e fique mais resistente às paixões), certamente salta aos olhos por narrar com qualidade pouca vezes vista nos quadrinhos o dia-a-dia de uma pequena cidade da América Central chamada Palomar e seus habitantes, suas ilusões, suas paixões, seus medos e qualidades.

Beirando o surreal, o provinciano e o cosmopolita, e com um “quê” de Gabriel Garcia Márquez (em especial Cem anos de solidão) e Gilberto Amado (na fase de romance de costumes em especial Dona Flor e seus dois maridos), Heartbreak Soup irá agradar e surpreender.

Na primeira história foi publicada no Brasil em Love & Rockets # 1 e 2 (Editora Record, 1991) e é lá que conhecemos Palomar e somos apresentados à Chelo, uma mulher que ganha a vida dando banhos nos habitantes da cidade e que anteriormente foi parteira, ajudando no parto de vários dos atuais adolescentes.

Em especial dois chamam a atenção de Chelo: Manuel, um perfeito boa-pinta e Don Juan, e Soledad, o “gordinho inteligente” que vivia uma paixão platônica por Pipo, uma linda moça. Conhecemos Tipin’Tipin que está em profunda depressão com ter sido rejeitado por uma de suas amadas (todas platônicas) e é acolhido durante alguns dias na casa de Pipo pela irmã mais jovem da moça Carmen.

Pipo finalmente consegue atrair a atenção de Manuel (e este por sua vez, o ódio de Gato, um eterno apaixonado por Pipo) até que descobre que a atenção do rapaz é mais física. Entre outros personagens temos Luba, uma nova banhista que chega em Palomar e inicialmente desperta ciúmes de Chelo; o delegado ineficiente; Heráclio um dos adolescentes que vê fantasmas, entre outros tipos tipicamente latino-americanos.

Este personagens e outros tantos somados pelo texto eficiente de Beto Hernandez produz uma das mais interessantes graphic novels dos quadrinhos (20 páginas em cada edição) e o retrato eficiente dos costumes de um povo.

Se você gostou de Cem anos de solidão irá gostar de Crônicas de Palomar.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…