Pular para o conteúdo principal

Boxes

Impossibilitado de comprar os boxes de lançamentos das séries atuais, encontrei uma promoção e comprei a 1ª, 2ª e 3ª temporadas de Arquivo X a R$ 40,00 cada. Voltarei a tocar no assunto por aqui, mas desde já deixo claro que o box – lançado comercialmente em 2001/02 – é terrível.

A primeira temporada que terminei de assistir ontem, tem erros grosseiros de português ao longo dos episódios. Se uma pequena parcela do público não percebe isso por que assiste a versão dublada, a próxima acusação é que nos comerciais internacionais não há um em português. Agora um detalhe: quem quer ver comerciais internacionais?

Com algumas histórias interessantes para contar sobre a temporada, o DVD não tem um making off, entrevista nem nada para sustentar o interesse do fã. Umas poucas cenas extras têm um detalhe macabro: não são exibidas individualmente, e sim, somente com a exibição do episódio, porém somente se as legendas não estiverem ligadas. Ou seja, somente se você assistir ao episódio com som original e sem legendas para ver uma seqüência mínima, como a famosa em que Scully ia à uma festa com um namorado, e Chris Carter decidiu torná-la assexuada e guardiã de Mulder.

Excetuando o descaso com legendas e a falta de material extras e concentrando-se apenas nos episódios, Arquivo X – 1ª temporada (a R$ 39,90, procure por aí) é uma excelente oportunidade para ver o engatinhar de uma longa mitologia que se cristalizaria entre a 2ª e 5ª temporadas.

Assista vale a pena!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…