Pular para o conteúdo principal

Reino Sombrio

Há alguns meses estou publicando reviews de arcos da equipe de heróis Sociedade da Justiça da América (Justice Society of America) a primeira equipe dos quadrinhos, criada em 1.941.

A equipe já teve suas história narradas em All-Star Comics, Adventure Comics, Justice Society of America volume 1, Justice Society of America volume 2, JSA e Justice Society of America volume 3, além dos encontros anuais de verão com a Liga da Justiça da América.

Estou no meio da série chamada em inglês JSA – a abreviatura do nome da equipe – que teve 87 edições. Após o encerramento desta série a equipe está tendo suas aventuras publicadas em Justice Society of America volume 3, que ultrapassou as quarenta edições.

Reino Sombrio (Black Reign, no original) é um arco publicado originalmente em JSA # 56-58 e Hawkman volume 4 #23-25, e no Brasil a Panini publicou como minissérie em 3 partes. A história é escrita por Geoff Johns e a arte fica por conta de Don Kramer & Keith Champagne (JSA) e Rags Morales & Michael Bair (Hawkman). Kramer também teve auxílio de Leonard Kirk nos esboços de edição 58.

A série é um momento de ruptura na equipe. Adão Negro convence a alguns jovens, ex-participantes da Corporação Infinito, que ele deve voltar ao poder no Kahndaq – país que foi governante milhares de anos atrás. Estes jovens afastam-se da equipe e assumem a vertente de uso da força de Teth-Adam. Gavião Negro acredita que a equipe deve fazer algo sobre o assunto, mas deixa de perceber que ele próprio, desiludido por não ter o amor de sua atual Moça-Gavião está cada vez mais violento e desnorteado.

O Gavião praticamente obriga a equipe a tomar partido numa ação para enfrentar Adão e seu grupo no Kahndaq – país que Adão passou a governar depois de matar o ditador anterior. Durante a viagem dos heróis percebe-se que as relações entre Nabu (a consciência do Sr. Destino e fonte dos poderes) e Hector Hall (o atual Sr. Destino) não são tão amistosas quanto imaginamos. Pela lógica grotesca dos quadrinhos o Sr. Destino sempre será um personagem que terá a necessidade de ter uma personagem feminina forte... algo a ver com equilíbrio de forças. Para piorar durante o ataque Nabu toma à força o controle da forma de Sr. Destino e inverter de lado.

Em Kahndaq a SJA tem que enfrentar a estranha situação de não serem vistos com bons olhos pela população local. Lá o recém empossado Adão Negro é herói.

A equipe tem que enfrentar os soldados de Adão, os membros da equipe e o povo de Bóreas (Northwind em inglês, um afilhado do Gavião Negro, híbrido de humano com povo-gavião).

Mesmo agindo com grande astúcia como no caso do Capitão Marvel, onde usa Onda Mental II para dominar o Capitão e revertê-lo à forma de Billy Batson, Adão sabe que há detalhes fora de seu controle, como quando Nêmese estripa o estômago de Homem-Hora obrigando-o a usar um plano desesperado: vai para a dimensão onde está seu pai e troca de lugar com ele!

A tragédia só piora. Homem-Hora percebe rapidamente a situação e se põe a atacar Eclipso e Nêmese. Ferido fisicamente, Eclipso vê seus encantamentos rompidos e se descontrola. Um raio seu mata Nêmese – sua amante. Decidido a não deixar-se usar pelo demônio Alex Montez, o Eclipso, suicida-se!

Gavião Negro já havia enviado Elektron para atuar junto com Esmaga-Átomo, que ataca e prende Sideral, mas ao ser confrontado pelo diminuto herói e pela ex-colega de equipe, decide-se calar para Adão, que mantém preso Billy, tentando convencê-lo a mudar de lado e rebelar-se contra o Mago Shazam. Caso tenha passado batido em função da tradução Elektron (Atom em inglês) é a segunda geração de herói a usar este nome. O Átomo original é padrinho de Esmaga-Átomo e atualmente está morto, assassinado por Extemporâneo em Zero Hora (1994). A lógica dos editores e autores foi enviar um outro “Atom” para influenciar o afilhado do “Atom”. Aqui funcionou, mas que é grotesco, é.

O confronto final é entre a equipe e Adão que tem a vantagem do Onda Mental. Gavião envia Elektron para derrotar Onda e percebe dentro do cérebro dele – alimentando-se de um câncer – o vilão alienígena Sr. Cérebro! Esta versão do inseto surgiu na série O Poder de Shazam! que teve alguns números publicados pela Editora Abril anos atrás.



Elektron consegue derrotar Cérebro e a vantagem de Adão diminui. A equipe passa para o mano-a-mano com o vilão místico. Durante a batalha Hector traz do reino místico Lyta Trevor Hall, a Fúria. Estava cumprida a profecia do equilíbrio de Sr. Destino novamente e Nabu aprisionado.

Com sua maça energizada pelo coração estelar do Lanterna Verde, Gavião Negro degladia com Adão e os heróis interrompem a batalha com oferecendo um pacto, que o herói alado admite com relutância: Adão poderá governar Kahndaq mas não poderá por os pés fora da nação!

A equipe se vê decepcionada com a decisão, mas Adão tem a aceitação popular característica dos ditadores. Eles são praticamente expulsos do país e vêm-se obrigados a deixar Esmaga-Átomo para trás, talvez para servir como conselheiro de Teth-Adam. A decisão de deixá-lo dói especialmente em Sideral.

Devido às mortes e repercussão Gavião Negro é afastado da equipe. Há dois epílogos. Num Carter e Kendra se aproximam quando a moça percebe o caráter humano e falho do companheiro. Noutro, Esmaga-Átomo ao ver os sonhos expansionistas de Adão de remodelar o mundo à sua imagem, aparentemente decide abandonar Kahndaq.

Reino Sombrio fez bastante sucesso no seu lançamento e ajudou cimentar uma série de coisas no Universo DC.

Ao deixar Teth-Adam no trono de Kahndaq, Johns deixou claro que a visão dos heróis americanos talvez não seja a mais apropriada para um país com outra cultura. A nação era comandada por um tirano militar e foi entregue a um tirano místico. Como na Latvéria de Dr. Destino – da Marvel Comics – os heróis não tem uma visão clara do que pode ser pior para o país. John Byrne, escritor famoso por suas polêmicas, sempre deixou claro que o “seu” Dr. Destino, um déspota arrogante, amava seu povo e país e era benéfico, ainda que exigisse fidelidade total.

Polêmicas à parte, Reino Sombrio também marcou o encerramento da passagem de Johns pela série do Gavião Negro. O título ainda iria durar mais uns dois anos, mas sem o brilho de outrora e durante Crise Infinita o personagem principal desapareceria e a série mudaria de nome para Hawkgirl antes do cancelamento.

Pouco mais de um ano depois o arco Vingança Negra retornará à tramas deixadas em aberto neste momento, exatamente quando a DC estava promovendo uma das séries de suporte de Crise Infinita, chamada Dia da Vingança, onde o Espectro passa a atacar todos as entidades místicas da editora.

Reino Sombrio é uma excelente diversão e merece várias leituras.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!