Pular para o conteúdo principal

Quando éramos adolescentes

De todas as séries que li, de nenhuma tinha memórias tão deturpadas quanto Orquídea Negra (Ed. Globo, 1989, posteriormente encadernada e anos depois republicada por outra editora).

Não quero dizer que não a entendi. Quero dizer que nunca parei para refletir sobre a série depois que a li e armazenei a fantasia padrão de adolescentes sobre quadrinhos adultos: violência, morte e ressurreição.

Na história escrita por Neil Gaiman e pintada por Dave McKean, a heróina Orquídea Negra é assassinada ao investigar uma subsidiária de Lex Luthor. Com pouca relação real com esta trama – o melhor seria dizer nenhuma – um ex-funcionário de Luthor sai da cadeia após cumprir pena de sete anos e deseja reaver seu emprego.

Inicialmente sem sucesso, ele se depara com o cruzamento genético entre humanos e plantas, feito pelo namorado de sua ex-mulher – a qual assassinou após ela denunciar a operação das empresas do chefe do crime de Metrópolis. Oferece o material à Luthor, mas destrói algumas amostras e deixa escapar duas sobreviventes.

Esta nova “Orquídea Negra”, acompanhada por uma versão mirim – uma menina de oito ou nove anos – busca sua identidade e tenta conseguir respostas de gente como Batman, Pamela Isley (Hera Venenosa) ou Alec Holland (o Monstro do Pântano). Ela quer saber seu verdadeiro espaço no universo. Seria uma história de clonagem sem usar a palavra.

Nesta busca de auto-conhecimento, a Orquídea é seguida por agentes de Luthor e estes seguidos pelo ex-marido de sua matriz celular que deseja vingança por ter sido desprezado novamente pelo empresário, e chega à Amazônia, onde os índios permitem que ela “plante” “filhos” dela com o Monstro do Pântano.

Para mim a obra que li originalmente quando tinha catorze anos mostra que sempre é necessário uma releitura. Não era assim que me lembrava da história. Tudo confere, mas minha percepção da história era outra.

Que estranho!

* * *

Anos depois a DC Comics retornou à personagem numa curta série publicada pelo selo Vertigo em 1.993. O primeiro arco e o cross-over deste volume com Swamp Thing já foi publicado no Brasil no final do século passado.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…