Pular para o conteúdo principal

A Infinita Saga do Infinito, Parte IV: A conclusão do primeiro round

Em Captain Marvel # 31 – 1974 (Heróis da TV # 13 e A Saga de Thanos # 02) Mar-Vell reúne-se com os Vingadores, Serpente da Lua e Drax, o destruidor para por todos a par dos acontecimentos. Thanos revela também ao leitor que seu verdadeiro objetivo é o amor pela Morte e que irá presenteá-la com a Terra. Em seguida, sem esforço algum Thanos aprisiona Mar-Vell, Homem-de-Ferro, Serpente da Lua e Drax, afinal ele está de posse do Cubo Cósmico e vai para uma região desolada para assistir a rendição da Terra.

Trocando seus átomos com Rick Jones, Mar-Vell consegue quebrar a barreira de Thanos e liberta os heróis aprisionados. Começa uma nova batalha e Mentor tira Titã de órbita! A estratégia não surte efeito e Thanos usa o cubo cósmico para transformar-se em um deus! Ficando também uno ao universo!

Em Captain Marvel # 32 (Heróis da TV # 14 e A Saga de Thanos # 02) descobrimos a origem de Drax – ele é o pai de Serpente da Lua – e como ele foi criado por Kronos para enfrentar Thanos (o tom lembra em muito a origem do Espectro da DC Comics no que refere-se à origem de um ser de grande poder criado por um ser quase onipotente – ou onipotente – para combater aqueles que foram culpados por sua morte).

Usando artifícios Rick Jones convence Thanos a assumir uma forma humana e limitada para um confronto definitivo com Mar-Vell!

Em The Avengers # 125 – 1974, 1º Volume (A Saga de Thanos # 2) de Steve Englehart, John Buscema e Dave Cockrum, os Vingadores, formados por Capitão América, Thor, Visão, Feiticeira Escarlate, Espadachim, Mantis e Pantera Negra enfrentam as tropas multi-raciais de Thanos e conseguem derrotá-las depois de destruírem o tradutor universal que permitia que elas se comunicassem numa linguagem comum.

Captain Marvel # 33 (Heróis da TV # 15 e A Saga de Thanos # 2) de Jim Starlin & Steve Englehart, Jim Starlin e Klaus Janson apresenta o confronto final entre Mar-Vell, o guerreiro escolhido para defender o universo e seu algoz supremo, Thanos. Mas Mar-Vell não combate sozinho, já que tem a providencial ajuda de Drax.
Quase sacrificando-se o herói cósmico kree destrói o cubo cósmico numa estonteante contagem regressiva e consegue derrotar o vilão.

Estava encerrada a primeira investida de Thanos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…