Pular para o conteúdo principal

Millennium, volume 1: Os homens que não amavam as mulheres, Stieg Larsson

Stieg Larsson, autor sueco, trabalhou em revista própria que denunciava o racismo e perseguição política em seu país. Morreu após entregar à seu editor os três volumes de uma série de dez chamada Millennium, que traria as desventuras do jornalista Mikael Blomkvist e da hacker Lisbeth Salander, unidos pelas improbabilidades da ficção policial.

Os homens que não amavam as mulheres (2005; Brasil - 2008), um tijolo de 522 páginas nos introduz aos personagens e relata a contratação de Mikael para descobrir o mistério do desaparecimento de Harriet Vanger, desaparecida há 40 anos. Salander foi contratada por uma agência para investigar a honestidade de Blomkvist e depois retorna como auxiliar do jornalista, por quem desenvolve uma paixão à la complexo de Elektra.

A Salander é uma personagem misteriosa e mesmo os ataques desferidos contra ela por seu tutor obcecado não deixam o público com pena, e sim com desejo de vingança. O desdobramento da trama e a vitória da personagem é a vitória do leitor.

Larsson consegue fazer o leitor prender a atenção e querer continuar a cada minuto. Faz descrições detalhadas de questões tecnológicas (computadores, notebooks, conexões ADSL) e seus personagens, o mais rico da obra, são complexos e com motivações firmes. Não há jogadas ao acaso e todos se usam. O cenário é bem construído e tudo torna-se bastante provável.

* * *
É um romance policial, mas Larsson o usa para denunciar a corrupção em seu país de origem, que teria escândalos tão interessantes quanto o Brasil.

Não deixa nada a dever à Agatha Christie, sendo superior até, em função da contemporaneidade e consegue divertir e convencer ao leitor da necessidade de acompanhar a vida desta improvável dupla. Excelente ocupação para um final de semana prolongado.

Já foi adaptado para o cinema na Suécia (onde 1/3 da população já leu a série) e promete em breve receber adaptação americana, mas depois de assistir à versão sueca acho que o formato ideal seria uma série de TV de seis horas de duração, preferencialmente produzida pela HBO, que tem tradição em ser fiel ao texto.
A trilogia Millennium

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…