Pular para o conteúdo principal

Martian Manhunter volume 2, III: Revelações

O número #18 inicia um arco com a recém-formada Sociedade da Justiça da América, ainda sem o Sr. Incrível. Kanto, assassino oficial de Darkseid, ataca a sede da equipe e rouba a essência vital de Sideral, levando J'Onn e a SJA à Apokolips. Anos antes quando Darkseid tentou dominar Marte, o Caçador e Kanto já haviam travado conhecimento.


No número #20, inicia-se o arco “Revelações” narrado por J'Onn e trazendo luz sobre o passado. Ele revela ter tido contato com os Kent no dia seguinte à queda da nave e conhecido a origem do bebê. Retornaria à fazenda oito anos depois, disfarçado como negro e enfrentaria o racismo em Smallville. Paralelamente agiu na equipe Justiça Experiente com a identidade de Penumbra de Bronze até que foi vitimado pelo Dr. Trapps, que matou o restante da equipe. Vagou durante dois anos pelos EUA desmemoriado até ser resgatado pela Sociedade da Justiça da América.

Isto justificativa, sob o ponto de vista de J'Onn J'Onzz, a escolha de múltiplas identidades a partir de então. Perder os amigos da Justiça Experiente foi um trauma tão grande quanto a perda da sua raça.

Na conclusão da primeira história, com Clark já adulto e já ciente de sua natureza alienígena, J'Onn se revela para ele e iniciam uma amizade. Ostrander, que trabalha com tantos elementos da cronologia como a inserção da Justiça Experiente, o Penumbra de Bronze e duas identidades de J'Onn em Smallville – uma delas, professora de Clark durante um ano! - abandona completamente a existência de um núcleo de Caçadores Cósmicos na cidade natal de Clark Kent. Seria a influência dos Caçadores que daria uma normalidade à infância do homem de aço.

No segundo capítulo de Revelações – que se passa durante os anos em que J'Onn perdeu a pista de Clark Kent – ele travou conhecimento com o Lanterna Verde Abin Sur que enfrenta um criminoso foragido. A narrativa deixa claro que os Guardiões na havia visitado Marte, mas o planeta não havia aceitado participar da Tropa dos Lanternas Verdes. Nasce um respeito de J'Onn por Abin Sur, que se estenderá aos seus sucessores.

A série segue para um encontro com o Batman e após um encontro com Espectro/Jim Corrigan, onde os detetives (Corrigan e Jones) ocultam segredos enquanto investigam crimes ligados à magia e zumbis. O encontro com a Liga da Justiça Internacional e o roubo de seus biscoitos pelo Besouro Azul & Gladiador Dourado é muito divertido, ainda de, do meio para o fim, perca a intensidade.

Revelações é um bom arco mas oscilante entre estabelecer uma cronologia de relacionamentos e ações de J'Onn e contar uma história verdadeira do personagem. Talvez se tomasse um único vilão e narrasse o enfrentamento entre este vilão e o marciano ao longo dos anos, enquanto investiga pistas falsas que o levassem a outros personagens do Universo DC a história fluiria melhor.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…