Pular para o conteúdo principal

Dimensão DC: Lanterna Verde e o Eclipse Esmeralda

Em Dimensão DC #20, última edição antes da Revolu$ão Panini, disponível desde a semana passada nas bancas temos Green Lantern Corps #34-38 e mais uma história da série The Last Days of Animal Man, que felizmente encerra a série.

Depois do relativo sucesso do trio Estelar (da cronologia dos Novos Titãs), Adam Strange e Homem-Animal na série semanal “52”, a DC Comics tentou tirar água de pedra em várias outras séries reunindo os mesmo personagens. Os últimos dias... é mais uma dessa séries e não oferece nada de divertido ao leitor. A publicação da série foi uma estratégia para ocupar as páginas de Dimensão DC de modo a alinhar toda a cronologia da editora, preparando-se então para o evento “A noite mais densa”.

Não posso afirmar que existiria algo mais relevante do que uma série que passa no futuro – e todo futuro nos quadrinhos é alternativo. Mas talvez existisse e poderia ter sido publicada.

Na série Green Lantern Corps, aquela série que mostra o dia-a-dia da Tropa dos Lanternas Verdes temos três frentes de ataque:

a) Em Daxam (aquele planeta de sol vermelho onde os habitantes tem o mesmo perfil dos kryptonianos, mas envenenam-se com chumbo), Sodam & Arísia enfrentam Mongul. A trama não renderia uma boa história pelos poderes de Sodam, mas em seu planeta natal seus poderes extras são cancelados e a Guardiã Cicatriz dificulta seu acesso à Ion – um ser de pura energia verde.

b) Em Korugar, mundo natal do ex-Lanterna Sinestro e da atual Lanterna e médica Soranik, a população que tem resistência à presença da força policial dos Guardiões do Universo devido à ditadura imposta por Sinestro, este aparece e revela ser seu pai! Ele também explica que a Tropa Vermelha sabe que ele tem uma filha, ainda que seja incapaz de identificá-la de imediato.

c) Em Oa, as ciencelas – as prisões onde estão os membros das outras Tropas especialmente Sinestro e Vermelha – sofrem uma ruptura interna, provocada pela Guardiã Cicatriz e há confrontos e batalhas no planeta sede da Tropa, onde lutam Kilowog, Gardner e Kyle, além de dezenas de outros membros. O escudo protetor de Oa também cai. Cicatriz ainda consegue influenciar os Guardiões e os Lanterna Alfa de modo a executarem os prisioneiros.

Alheio aos eventos desta série os Guardiões e Hal Jordan estão ausentes em busca da lanterna laranja, eventos ainda não publicados no Brasil, mas que transcorrem na série Green Lantern.

Bastante ação com roteiro de Peter J. Tomasi e arte de Patrick Gleason, que tem arte adequada ainda que eventualmente alguns aliens pareçam confusos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…