Pular para o conteúdo principal

Continuações

Sempre que falo em continuações vem à minha memória duas situações distintas. Na primeira uma entrevista de Bill Murray com a SET (revista sobre cinema) onde ele revelava que estava decepcionado por Caça-fantasmas ter uma continuação e que a trama não necessitava disto.

Em outra memória o personagem Allan Harper (o ator Jon Cryer) finge ser Matthew Broderick num episódio da série de TV “Two and a half men” e o enfermeiro pergunta “Onde está a sequência de Curtindo a vida adoidado?” e depois o mesmo conclui “Dê ao povo o quê o povo quer!” - a brincadeira é que Jon na adolescência fez filmes imitando o estilo de Broderick, então havia aí uma sutil ironia.

A continuação geralmente é um produto inferior! Um sub-produto! Por favor não falem das continuações que são superiores aos originais, pois são pouquíssimas (Aliens, Terminator 2, The dark knight) e nem citem Senhor dos Anéis que na verdade é apenas um filme de 10 horas de duração dividido em três partes.

É assim que olho para Marvels II: Por trás da câmera, minisérie em três partes traduzida pela Panini. Uma continuação que não deveria ser produzida.

O projeto original era muito legal. Kurt Busiek já tinha uns dez anos na indústria mas ainda não tinha produzido nada de revelador e Alex Ross já tinha algumas experiências desanimadoras. Juntos somaram e tornaram-se astros da noite para o dia e a cada projeto Ross revelava-se mais qualificado e Busiek mais nerd – aqui no bom sentido da palavra.

Aqui a história parece uma cortina de retalhos dispostas apenas a tampar buracos da história original, inserindo mais drama entre os capítulos que já existiam.

Não é uma continuação realmente mas uma extensão da outra série e mesmo sendo bem costurada não funciona exatamente por que não é a primeira série e não tem o mesmo pintor. Ross foi substituído por Jay Anacleto. Dado o bom relacionamento entre Busiek e Ross – parceiros em Astro City que continua a ser publicada – e entre Ross e a Marvel – recentemente Ross produziu Vingadores vs Invasores – é de se supor que apenas não se interessou pelo projeto ou não ofereceram uma quantia relevante.

Certamente o projeto não tinha muito a oferecer. A história é apenas uma extensão tortuosa de outra história.

É uma pena!

Perderam todos!

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!