Pular para o conteúdo principal

Continuações

Sempre que falo em continuações vem à minha memória duas situações distintas. Na primeira uma entrevista de Bill Murray com a SET (revista sobre cinema) onde ele revelava que estava decepcionado por Caça-fantasmas ter uma continuação e que a trama não necessitava disto.

Em outra memória o personagem Allan Harper (o ator Jon Cryer) finge ser Matthew Broderick num episódio da série de TV “Two and a half men” e o enfermeiro pergunta “Onde está a sequência de Curtindo a vida adoidado?” e depois o mesmo conclui “Dê ao povo o quê o povo quer!” - a brincadeira é que Jon na adolescência fez filmes imitando o estilo de Broderick, então havia aí uma sutil ironia.

A continuação geralmente é um produto inferior! Um sub-produto! Por favor não falem das continuações que são superiores aos originais, pois são pouquíssimas (Aliens, Terminator 2, The dark knight) e nem citem Senhor dos Anéis que na verdade é apenas um filme de 10 horas de duração dividido em três partes.

É assim que olho para Marvels II: Por trás da câmera, minisérie em três partes traduzida pela Panini. Uma continuação que não deveria ser produzida.

O projeto original era muito legal. Kurt Busiek já tinha uns dez anos na indústria mas ainda não tinha produzido nada de revelador e Alex Ross já tinha algumas experiências desanimadoras. Juntos somaram e tornaram-se astros da noite para o dia e a cada projeto Ross revelava-se mais qualificado e Busiek mais nerd – aqui no bom sentido da palavra.

Aqui a história parece uma cortina de retalhos dispostas apenas a tampar buracos da história original, inserindo mais drama entre os capítulos que já existiam.

Não é uma continuação realmente mas uma extensão da outra série e mesmo sendo bem costurada não funciona exatamente por que não é a primeira série e não tem o mesmo pintor. Ross foi substituído por Jay Anacleto. Dado o bom relacionamento entre Busiek e Ross – parceiros em Astro City que continua a ser publicada – e entre Ross e a Marvel – recentemente Ross produziu Vingadores vs Invasores – é de se supor que apenas não se interessou pelo projeto ou não ofereceram uma quantia relevante.

Certamente o projeto não tinha muito a oferecer. A história é apenas uma extensão tortuosa de outra história.

É uma pena!

Perderam todos!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…