Pular para o conteúdo principal

Socorro!: A revolução da Panini II

Analistas apontam que a Editora Abril sabia quantas séries os leitores comprariam por mês. Algo como 10, um número hipotético. Então produziam seis séries Marvel e quatro DC.

A Panini não tinha acesso a estes dados e tentou: a) reprisar sucessos externos e b) juntar personagens que estivessem em evidência em função de filmes. A estratégia dos filmes e séries de TV deve ter falhado já que Liga da Justiça – o desenho da TV, Smallville, Quarteto Fantástico & Capitão Marvel, Hulk & Demolidor, Justiceiro & Elektra, O Incrível Hulk e Demolidor – o homem sem medo apesar de algum impacto inicial foram canceladas.

Mesmo reedições de sucessos da Editora Abril como “Novos Titãs” não conseguiram manter o pique e olhem que a própria Panini não apostava muito na série. Com tiragem menor tiveram que fazer uma segunda impressão de Novos Titãs #01 e de 1602 #01 – esta uma série do astro Neil Gaiman.

Note que em nenhum momento a Panini foi desafiadora e tentou criar uma nova cultura de consumo... mas houve rascunhos.

Tentou introduzir a Top Cow, mas foi apenas por que a DC poderia sair da editora e necessitava ocupar as bancas. A maior parte do material da Top Cow é lamentável, para dizer o mínimo.

Tem uma vasta coleção de mangás publicados, mas, na verdade, copiava o que estava funcionando em outras editoras tradutoras.

Tentou publicar séries franco-belgas como XIII e Blueberry, mas era um teste apenas já que outra editora tinha lançado material franco-belga (Arthur, uma epopéia celta) e depois material autoral europeu (Corto Maltese) e estava chamando atenção. Apesar de concluir as séries, nota-se que não houve sucesso e planejamento adequado.

A segunda conclusão que chego é que os homens de negócio da Panini não tinham uma cultura de negócio suficiente para mostrar seguimentos de mercado e fazer o leitor permanecer fiel à ele.

Ainda assim, personagens como X-Men e Aranha chegam à 100 edições e Superman, Batman e Liga à 90, prova que nem tudo estava errado – ou ainda, em última instância, prova que o público não expande muito as linhas de compras, comprando aquilo que conhece.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…