Pular para o conteúdo principal

O Mundo de Metrópolis

Nesta segunda série dedicada a explicar o universo do homem-de-aço temos as histórias dos personagens que compõem o cast da cidade de Metrópolis. Perry White enfrenta Luthor e a traição de sua noiva. Lois Lane, Clark Kent e Jimmy Olsen têm partes de suas vidas dissecadas em histórias solo.

Criada em 1.988 há 22 anos a série não serve como referência cronológica mais. Atualmente, num processo iniciado pela série de TV Smallville, aceita-se que Lex e Clark foram amigos durante a adolescência em Smallville, onde Lex viveu depois de matar seus pais, receber o seguro e contratar um ator para agir como seu guardião.

Está sendo conclusa nos EUA a série Superman: Origem Secreta e Geoff Johns e Gary Frank que irá reapresentar a origem do homem de aço para a platéia atual da DC Comics.

The World of Metropolis # 1 – 1988/Super-Homem Especial # 2 (set/89) – Após retornar da Guerra da Coréia, onde ficou desaparecido durante algum tempo, Perry White descobre que seu ex-melhor amigo e hoje milionário, Lex Luthor, pretende vender o jornal Planeta Diário e cria um pool de empresários para fazerem uma oferta. Ao mesmo tempo descobre que sua noiva teve um envolvimento com Luthor, mas consegue superar a notícia e casa-se com Alice.

# 02/Super-Homem Especial # 02 – Lois lembra sua primeira tentativa de conseguir um emprego no Planeta Diário, quando tinha 15 anos, e como conheceu Lex Luthor ao tentar roubar dele alguma informação que servisse aos interesses de Perry White.

# 03/Super-Homem Especial # 02 – Clark Kent recorda-se de sua chegada em Metropolis quando trabalhou durante dois anos em uma lanchonete. Vemos seu envolvimento com uma colega chamada Ruby e seu ingresso da faculdade de jornalismo – cercado de alguns infortúnios derivados de sua recém-iniciada carreira de combate ao crime, ainda que não tivesse a identidade de Superman.

# 04/Super-Homem Especial # 02 – Na conclusão uma passagem com James Olsen, onde ele relembra a primeira vez que inventou e usou o relógio especial para chamar o Superman e foi então apelidado de “o amigo do Superman”. De pano de fundo seu relacionamento com sua mãe e a resistência dela em permitir que seu filho vá trabalhar em um jornal.

A – John Byrne D – Win Mortimer F – Frank McLaughlin & Dick Giordano

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…