Pular para o conteúdo principal

O Mundo de Smallville

Nesta que é a última série que descreve o passado do Super-Homem temos uma história de seus pais e da vida de Lana Lang. Se a primeira parte é interessante pois torna Jonathan e Martha Kent mais humanos, a segunda serve mais para tentar arrumar a cronologia da vida de Lana Lang que foi a Caçadora ( Milênio) que espionava o homem-de-aço.

Acredito que o ponto menos saudável da nova origem do Super-Homem seja exatamente a desnecessária vinculação dos jovens de Pequenópolis com os Caçadores, ainda que somente assim saibamos por que o governo não foi investigar a queda da nave em Pequenópolis.

A explicação mais plausível continua sendo a versão da série de TV Smallville (2001) que sugere uma verdadeira chuva de meteoros naquela região do país. Houve também explicações diferentes como um pouso comum sem chamar a atenção. Esta explicação é plausível sim!

Uma nave pequena que cabe na carroceria de um Ford antigo e fez um pouso planejado realmente não chamaria atenção de forças armadas ou entidades governamentais.

Tem 2001 os Kents tiveram uma série de doze partes que estende a história da família.

The World of Smallville # 01/Super-Homem Especial # 03, Editora Abril Jovem (dezembro/1989) – Em visitia aos seus pais, Clark descobre que sua mãe adotiva já foi casada com Daniel Fordman, herdeiro de um comerciante rico da cidade.

O casamento aconteceu enquanto Jonathan Kent esteve perdido durante a Segunda Guerra Mundial. Ao retornar para a cidade a paixão reacende e Jonathan fica supreso quando Daniel, que está com cancêr em estágio terminal, leve Martha para longe dele!

# 02/Super-Homem Especial # 03 – Apesar da negativa inicial de Jonathan, Daniel vem a falecer e o jovem Kent contrai matrimônio com Matha seis meses depois. Após algumas tentativas de terem um bebê, sem sucesso, o casal encontra uma nave com um bebê e Martha convence Jonathan a fingirem ser seu filho natural.

# 03/Super-Homem Especial # 03 – Lana Lang conta a sua história e como perdeu os pais assassinados por andróides Caçadores, até que estes perceberam que as crianças seriam os alvos perfeitos para seu sistema de espionagem. Lana sendo controlada, assim como grande parte dos jovens de Pequenópolis, espionaram o jovem Clark Kent e quando este descobriu a origem de seus poderes e decidiu sair de Pequenópolis estes jovens tiveram de segui-lo, ou buscar os caminhos mais prováveis.

# 04/Super-Homem Especial # 03 – Após ter encontrado Clark Kent e descoberto sua identidade de Superman, Lana Lang volta a ser manipulada pela seita dos Caçadores Cósmicos, e tendo que seguir Clark/Superman não consegue fixar-se em nenhum emprego.

Após uma pane no seu controlador mental, Lana retorna à Pequenópolis, mas por uma infelicidade é novamente controlada, porém sua base continua na cidade até o início dos eventos de Milênio.

A – John Byrne D – Kurt Schaffenberger F – Alfredo Alcala.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…