Pular para o conteúdo principal

Anéis & Mitologias

Originalmente o conceito do “Lanterna Verde” era baseada no “gênio da lâmpada”. Mudaram para o anel que pode tudo e é carregado na lâmpada/bateria, que é realmente uma “lanterna”.

Explorando o poder da palavra “anel” no sub-consciente coletivo dos nerds dos anos 1.990/2.000/2.010, Geoff Johns estendeu ao máximo da coisa. Como o arco-íris criou sete tropas, com características e cores diferentes.

Infelizmente não é o caso de questionar qual a preferida, já que após o evento “A noite mais densa” as Tropas que sobreviverem serão coadjuvantes, nunca tendo explorado todo o seu potencial narrativo.

Ao mesmo tempo mais de cinqüenta anos de histórias regulares do Lanterna Verde destruíram em muito a chance de haver algo realmente novo para estas novas tropas.

Por enquanto estamos no prelúdio de “A noite mais densa”. Terminou agora em março o arco “A ira dos Lanternas Vermelhos”. Esta Tropa é liderada por Atrocitus e reside no setor 666, onde houve um massacre perpetrado pelos Caçadores Cósmicos. Atrocitus quer vingança contra os Caçadores, os Guardiões e a segunda polícia intergaláctica dos Guardiões, a Tropa dos Lanternas Verdes. Em especial contra Sinestro que o aprisionou na última vez que fugiu – Atrocitus é o responsável pela morte de Abin Sur.

Enquanto isso uma guardiã, ferida há alguns meses está fazendo jogo-duplo e movimentando peças para criar a Tropa dos Lanternas Negros!

Temos assim, apenas mais um arco “O agente laranja” antes da série realmente começar. Já temos as Tropas dos Lanternas Verdes, as Safira Estrelas, os Lanternas Vermelhos e Azuis. Em “O agente laranja”, a partir do mês que vem, conheceremos mais uma cor.

Mudança
A mudança que a Panini anuncia é em maio. Não se sabe do quê se trata realmente, mas leitores são criativos. O certo é que muitas séries da Marvel completam 100 números em abril (8 anos e 4 meses de Panini) e talvez a editora tenha decidido fazer uma reforma que reiniciar as séries e decidiu levar a DC de tiracolo.

Cinema
A empresa DC está num momento de reformulação. Satisfeita com o bilhão de Batman – O cavaleiro das trevas que decidiu iniciar uma série de filmes para cinema entre eles o Lanterna Verde, que já iniciou a pré-produção, conceitos e está contratando atores. Além de Lanterna Verde é quase certo que teremos Flash, uma nova série Superman e um terceiro Batman. Comenta-se também de um filme para a Mulher Maravilha e uma possibilidade para um filme Superman/Batman.

Destes só o Lanterna Verde está adiantado.

A Panini que já publicou alguns encadernados do Lanterna (Coleção DC 70 Anos, Crepúsculo Esmeralda, Lanterna Verde/Arqueiro Verde e o Crônicas volume 1) nos últimos dezoito meses deve intensificar os lançamentos.

Certamente a revista do Lanterna não deve ser cancelada.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…