Pular para o conteúdo principal

V (2009)

Séries de alienígenas são antigas e certamente remontam desde Guerra dos Mundos e dos romances fantásticos de Edgar Rice Burroughs.

V, série da ABC, que apresenta uma nova versão para uma série da década de 1.980, não traz uma gota de originalidade, ainda que para quem não tenha assistido a série original esteja tudo bem.

V (de visitantes) começa quando 29 naves alienígenas chegam à Terra em uma cena similar ao filme Independence Day. Em vez de fachos de energia a nave mostra uma alienígena sexualmente atraente chamada Anna (interpretada por uma atriz nascida no Brasil, mas que vive nos EUA desde os dez anos).

Anna diz que sua raça deseja paz e dividir conhecimentos com a Terra, se reabastecer com minérios e ir embora.

Ganha de imediato a simpatia da população, especialmente atraída pela aparente beleza de todos os visitantes.

Mas... sempre existe um mas... há mais coisas por trás da chegada.

A mitologia da série cria um grupo de resistência que reúne pessoas que afirmam que os visitantes sempre estiveram por aqui e a exibição pública é a última fase de um plano de domínio mundial!

Loucura?


Talvez não. Há indícios que terroristas com excepcionais documentos falsificados sejam visitantes e que eles estão infiltrados em muitas organizações. O parceiro da personagem principal é agente do FBI há sete anos e se descobre que é um visitante!

Fica a ponta aberta para a dúvida. Seria ele um agente desde o início ou apenas um visitante que substituiu um humano?

A próxima surpresa acontece durante uma informal do grupo de resistência. Atacados, descobrem que os visitantes usam uma máscara sob a pele, pois tem aspecto repugnante de répteis.

Assim como na série original, que tinha Robert Englund (o Freddy Krueger do cinema) como um visitante sensibilizado com a causa humana aqui temos o equivalente em visitantes dissidentes que estão há anos disfarçados.

Isso também dá espaço, como na série original para o possível nascimento de hídridos, mas estamos apenas no começo.

V é a aposta da ABC para substituir Lost depois que a série Flash Foward não se mostrou tão viável – inicialmente um sucesso, teve quedas acentuadas de audiência até se interrompida para ser repaginada.

V é boa, mas melhor ainda para quem não tem 35 e se lembra da série original. Diferente de Battlestar Galáctica que criou uma série muito diferente, esta parece apenas a mesma série com uso de tecnologia de ponta.

Merece a atenção. Especialmente de quem não tem 35 e já viu este filme (ou esta série, se preferir).

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…