Pular para o conteúdo principal

Origens

Fãs de quadrinhos gostam de origens, ainda que algumas séries atuais não tenham claras linhas que determinem as origens. Um grande exemplo é The Walking Dead, série sobre um grupo itinerante de sobreviventes após uma praga zumbificante. Até hoje 69 edições após o início ninguém sabe como começou a praga.

Naquela trama funciona muito bem, por sinal.

Tanto a DC, quanto a Marvel lucram bastante com histórias de origens, que não é mania nova em nenhuma editora. Recentemente a DC Comics tem revisto as origens de seus principais personagens. Em 52 (maxi-série semanal em 52 partes) houve uma página e meia para refrescar a memória dos leitores das origens dos heróis. Em Contagem Regressiva, há o mesmo, com os vilões.

Agora, com a proximidade de “A noite mais densa”, há vários resumos de 4 páginas feitos por Cicatriz, uma Guardiã do Universo, porém todos com sugestão de finais dolorosos.

Geoff Johns, o garoto maravilha da DC já fez a excelente Lanterna Verde – Origem Secreta que reconstruiu muito bem a lenda de Hal Jordan e seu relacionamento com Sinestro. Atualmente está sendo publicado Superman – Origem Secreta de Johns e Gary Frank e já foi prometido Flash – Origem Secreta.

Não pensem em repetição. Imaginem uma, mais uma, oportunidade para repaginar o personagem.

No entanto, o quê me levou a escrever tudo isto é uma origem do Batman, para mim a melhor em vários quesitos, chamada “O homem que cai”, escrita por Denny O’Neil e com arte de Dick Giordano e edição de Mark Waid, que foi publicada originalmente em Secret Origins of the World's Greatest Super-Heroes e já foi publicada no Brasil no Almanaque do Batman da Opera Graphica, uma edição muito ruim e que não faz jus à história.

Quem tiver oportunidade leia e escrevam para a Panini pedido que publiquem a história em algum encadernado.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…