Pular para o conteúdo principal

Crise Final: Uma opinião

De modo a acabar com o assunto sobre a série Crise Final vou deixar registrado minha opinião sobre o evento.

O escritor escocês Grant Morrison já foi bem mais linear em suas histórias. Elas tinham começo, meio e fim. Homem-Animal, escrito por ele e editado por Karen Berger é assim. São vinte e cinco edições, mas tem começo, meio e fim. Têm dúvidas? É só buscar em DC 2000 #4-36.

Eddie Berganza
, editor que disse no Brasil que não contratava autores de outros países por que eles não tinham o conhecimento enciclopédico necessário, se esqueceu de podar as asas do escocês.

A trama de Crise Final faz sentido, mas é distante de uma Crise nas Infinitas Terras onde várias coisas estão acontecendo ao mesmo tempo, mas – detalhe cruel – todas fazem sentido próprio e somadas fazem ainda mais sentido, nunca se anulando.

Em Crise Final alguns detalhes como a trama envolvendo Shilo Norman (Sr Milagre), Sonny Summô e os heróis japoneses são dispensáveis à trama geral.

A trama, para citar um articulista do Universo HQ, não explica como a coisa foi do ponto A para o B e, ao final, não sabemos o quê aconteceu.

Para piorar, derrotado o vilão da trama, surge um vilão maior, que tinha sido criado em uma série auxiliar (Superman ao Infinito) e os heróis tem que enfrentar num momento de reconstrução da realidade.

O erro é de Berganza. Se Berger, Raspler (editor de Morrison em LJA e DC Um Milhão) e o editor de Batman são capazes de tirar histórias úteis do autor, por que este editor não foi?

Não é simples a explicação, mas...

Contratado com status de gênio e tendo acertado em Novos X-Men (da Marvel), We3, 52, Grandes Astros: Superman e Batman ninguém imaginou que Morrison iria errar em Crise Final. Por isso não deram-lhe limites.

Ele não errou! Fez uma série hermética. Somente fãs são capazes de entender tudo que ele pôs lá.

O certo seria a DC ter criado uma série separada para ele terminar a Saga do Quarto Mundo, e não ter entregue a função a Jim Starlin, já que Morrison desconsiderou o arco “A morte dos Novos Deuses” e fez ele a sua versão da história.

Resolvido o problema do Quarto Mundo em separado, poderia-se fazer uma série onde uma força maligna estivesse corrompendo o Multiverso e que fosse necessário um grupo de heróis de várias dimensões para contê-lo.

O erro, torno a dizer, não é de Morrison.

Seu Batman & Robin é excelente. Seu retorno de Batman será um sucesso, ainda que não acredite que seja bom em função da premissa básica que é retornar e explicar o quê aconteceu com o homem-morcego.

Ele é um bom escritor, mas precisa ser orientado para produzir um material mais cosmopolita.

Quando pensarem na função de um editor, pensem em alguns pontos que toquei aqui e o quê teria sido Crise Final se tivesse realmente sido feito um planejamento de tudo que já havia ocorrido, o quê deveria acontecer e onde deveria estar o Universo DC depois de concluída a série.

No entanto a DC parece que aprendeu algumas lições e já corrigiu as narrativas no próximo maxi-mega-hiper-super-extra-ultra evento “A noite mais densa”.

Veremos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…