Pular para o conteúdo principal

Nossa última e melhor esperança de vitória: Babylon 5! – Parte 3

Os alienígenas de Babylon 5

O universo conhecido é controlado pela Aliança Terrestre (que controla Terra, Marte e Io) e cinco grandes impérios alienígenas: o Império Centauri, o Regime Narn, os Minbaris, os Vorlons e a Liga dos Mundos não Alinhados, que reúne uma dezena de mundos menores e tem menor influência política.

Os centauri são modelados a partir da nobreza européia, em especial no momento de decadência. Fica claro a saudade deste povo de dias melhores, quando o império era maior e as colônias várias. Na estação são representados por Londo Mollari, o embaixador, e Vir Cotto, auxiliar.

Os narns são um povo belicoso que já foram colônia escrava do Império Centauri. Seu representante da estação estação é G’kar o embaixador, auxiliado por Na’Toth. Apresentados inicialmente como moralmente questionáveis no telefilme Babylon 5 – The gathering, ao longo da série se percebe que não são isso, e não é uma mudança brusca, mas uma evolução, já que são um povo profundamente religioso e comprometido com crenças e a palavra.

Os minbaris são uma raça que travou uma guerra com a Terra e se renderam quando estavam a momentos da vitória, graças a um terrível segredo. Na verdade, a guerra começou com um engano, quando terrestres não compreenderam uma tentativa de contato e mataram o líder minbari. Filosoficamente superior, o povo minbari é controlado pelo “Conselho Cinza”, que é composto de três membros de cada uma das três castas: a religiosa, a guerreira e a trabalhadora. Foi o Conselho Cinza que ordenou a rendição e não explicou os motivos para a população. São representados por Deleen, a embaixadora, e Lennier, o auxiliar.

Os vorlons são representados por Kosh, um ser de energia que é envenenado no telefilme piloto (The gathering), e a partir de então só é visto em sua armadura. Com conceitos muito superiores aos humanos, os vorlons são inexplicáveis e nunca respondem a uma pergunta de maneira direta. Já estiveram na Terra ao longo de nossa história, especialmente no final do século XIX quando raptaram um certo assassino que matou umas pobres moças em Whitechappel, Londres.

Os humanos na série são representados por Jefrey Sinclair, comandante da estação no telefilme piloto e na primeira temporada, Susan Ivanova, segunda em comando, Michael Garibaldi, chefe de segurança da estação, Dr. Stephen Franklin, chefe da divisão médica e Tália Winters, uma telepata associada à Psi Corps, uma corporação que encontra, coleta e obriga os telepatas da Terra a trabalharem para ela. A Psi Corps responde diretamente ao gabinete da presidência da Terra e seu funcionário mais conhecido e odiado na série é Alfred Bester. No piloto a telepata residente é Lyta Alexander, e há uma trama que diz que ela foi afastada da estação por ter feito um contato mental com os Vorlons, cujos corpos nunca foram vistos. Lyta retorna à série no final da segunda temporada, e tornar-se permanente na terceira, quarta e quintas temporadas.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…