Pular para o conteúdo principal

Star Wars: Knights of the Old Republic

A segunda série do Universo Expandido que irei falar é a badalada “Knights of the Old Republic” (Cavaleiros da Velha República).

Com roteiro de John Jackson Miller e arte de Brian Ching, dupla que havia estreado no Brasil na série Star Wars: Obsessão publicada na Star Wars/Ediouro, os eventos ocorrem cerca de 3964 anos antes da Batalha de Yavin, após a primeira Guerra Sith e durante uma distante guerra mandaloriana e traça a fuga de Zayne Garrick, um padawan (jedi em treinamento) que foi acusado de assassinar os seus colegas.

O primeiro arco, em seis partes, é lento. Zayne é um padawan sem muito talento e com um leve toque do lado negro da Força. Possivelmente não obterá a promoção para jedi. Após uma perseguição ao contrabandista alienígena Marn Hierogryph (o “Gryph”), chega atrasado à cerimônia de nomeação e descobre seus colegas assassinados e seus professores começam a persegui-lo. Não demora muito para perceber que os professores são culpados e fazer uma aliança com Gryph, fugindo e juntando pistas.

A motivação do assassinato é que os mestres jedi com poderes de vislumbrar o futuro viram o fim da ordem provocado por um padawan. Entendendo a visão como a própria conveniência, os professores decidem matar os alunos, acreditando que entre eles estaria o destruidor da ordem!

Zayne descobre esta informação e decide se entregar, mas repensa a situação e foge, decidido agora a fazer um dos cinco professores confessar o crime e limpar seu nome. Enquanto isso irá trabalhar com Gryph no contrabando intergaláctico.

Como disse é pouca história para as seis edições da série, mas a arte de Ching (também sem arte final e bastante valorizada por uma pintura digital, algo muito comum nas séries da Dark Horse) ajuda bastante. Na verdade o arco funciona mais como um grande prelúdio para a série. Se fosse linguagem televisiva seria um piloto de duas horas para uma série semanal. Não há, no entanto, inimigos claros. A Ordem Jedi enviou novos guerreiros contra Zayne e seus professores foram afastados. O lógico é supor dois ou três arcos onde o padawan enfrente contrabandistas e larápios, seguidos de arcos onde enfrente Jedi e os professores, matando alguns deles até que reste alguma prova irrefutável de sua inocência.

Veremos o quê vai acontecer!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…