Pular para o conteúdo principal

Star Trek

Star Trek (2009) me impressionou pela história cheia de agitação, emoção, sedução e citações.

Assim, resolvi ver se os filmes anteriores eram tudo que me lembrava.

Preferi, de imediato, assistir apenas aos filmes com a equipe original, não por simpatia à Kirk, Spock & McCoy, três canastrões, mas por causa da revisão feita no filme de JJ Abrams.

Não quis ver “Jornada nas Estrelas, o filme” por ser lento e ter boas lembranças dele. Era um projeto para uma nova série de TV que virou um filme. Tornou-se sonolento e enfadonho.

Não quis também ver o quinto episódio “A fronteira final” dirigido por Shattner. Existe uma lenda que os episódios ímpares são ruins e os pares bons. A exceção à regra, como não poderia deixar de existir, é o terceira filme, ímpar e bom. O quinto é a confirmação da regra.

Assisti então, em um quase único fôlego, o segundo “A ira de Khan”, o terceiro, “À procura de Spock”, o quarto “De volta para casa” e o sexto “A terra desconhecida”.

Os quatro filmes são excelentes, um produto de uma época e de uma devoção à uma série de TV única por sua simplicidade e seus atores charlatões.

Os filmes, com história ora de Harve Bennett, ora de Leonard Nimoy (ator que interpreta Spock e dirigiu os episódios 3 e 4, além de ser co-autor da história original do 6º) se completam.

A história começa com Spock como capitão e Kirk como almirante, e uma arma de renascimento ou destruição em massa de um mundo – depende do usuário – sendo capturada pelo inimigo. Spock morre, se sacrificando para salvar uma nave.

Na seqüência óbvia, descobrimos que o katra de Spock foi deixado em McCoy e que o corpo foi regenerado pelo efeito Genesis. Há aqui o roubo da Enterprise pela tripulação. A Frota não queria permitir o resgate de Spock e aposentava a nave em favor da USS Excelsior. Temos o Comandante Kruge que mata o filho de Kirk, David e tenta se apoderar da arma. E finalmente a união de katra e corpo em Vulcan.

De posse de uma “Ave de rapina” Klingon a equipe da Enterprise volta para a Terra para encontrar o planeta sob estado de sítio graças à uma sonda alienígena. Retornam ao passado para resgatarem baleias e finalmente serem julgados pelos atos do filme anterior. Kirk é rebaixado de Almirante para Capitão e ao final do filme surge a nova Enterprise, com ele no comando.

O sexto episódio “A terra desconhecida”, cujo título se refere a um novo status entre Klingons e a Frota Estelar, a paz, é uma grata surpresa. Kirk e a tripulação – sem Sulu, já capitão da Excelsior e com várias participações na trama – tentam a contragosto costurar um acordo de paz entre a raça alienígena e a organização que representam, com insatisfeitos tanto na Terra, quanto em Vulcan, quanto no Mundo Imperial Klingon.

Aqui os personagens estariam próximos da aposentadoria, e McCoy inclusive, espera a sua para daqui a três meses!

Os filmes, hoje bastante simplistas em efeitos especiais, se sustentam na simpatia do público pela série de TV e pelos atores.

Algumas tramas são profundamente baseadas em conceitos da série (“A ira de Khan”), outras em modas recentes, como proteção a animais em risco de extinção (“De volta para casa”). No final (“A terra desconhecida”), o conflito entre EUA e URSS é pouco lembrado, mas bastante adequado.

Sucateado, o Império Klingon (ou a URSS), nada tem mais a fazer do que ceder, colocar o rabo entre as pernas e aceitar a Frota. Ainda assim, como a URSS, existem alguns descontentes que visão um brilho imperial há muito perdido.

Uma pena que dos quatro filmes seguintes, mesmo com uma equipe com histórico melhor construído, só se salva realmente “Primeiro Contato”, o oitavo filme, em que a equipe volta no tempo para impedir um ataque Borg – mostrando assim, que os três filmes que tratam de viagem no tempo são bem aceitos pelo público.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…