Pular para o conteúdo principal

Boas lembranças... nem sempre boas histórias


Engraçado como a memória prega peças em nós. Relendo toda a fase cômica da Liga da Justiça não encontrei o quê eu achava que havia ali: humor e sacadas inteligentes!

Excetuando o arco inicial (Um novo começo, que já havia comentado por aqui) e o arco “O evangelho de Maxwell Lord”, onde finalmente descobrimos o passado do personagem e suas motivações com a equipe, há uma ou outra história interessante. Uma delas é a invasão à Bialya onde Batman vai disfarçado de Bruce Wayne. O resto é completamente descartável.



Quando Kevin Maguire não está assinando a arte, a coisa piora sensivelmente. Steve Leialoha (Novos Mutantes) é horrível, caricato. Bill Willighan (Fábulas), que fez um anual não acerta no tom para o título e Mike McKone, que fez um anual e algumas fill-ins, em início de carreira é isso mesmo, um artista em início de carreira: fraco no desenho e barato.


A equipe também tem uma série de mitos. O maior é que a fase é cômica em todas as edições. Mentira! Há histórias disfarçadas no período, como a já citada invasão à Bialya e uma invasão à URSS para resgatar um prisioneiro (Nêmesis), duas tramas políticas sendo que a segunda tem cross-over com Esquadrão Suicida. Há também um enfrentamento com um marginal que roubou o mega-bastão de Barda – uma pífia tentativa de fazer uma história violenta. Infelizmente há tramas muito bizarras e que pioram quando surge o título trimestral Justice League Quartely, em geral tramas longas e duas ou três tramas curtas secundárias.



O tom de humor volta a ter níveis aceitáveis no início do terceiro ano da revista quando o artista Adam Hughes faz uma passagem pela título principal, especialmente quando J’Onn tem uma batalha expressiva com Despero, beeeem distante do tom de bom humor da série. Se você quiser conferir cheque a partir da edição 39 da série da Editora Abril Jovem.

Interesse notar que a equipe “Liga da Justiça Europa” criada apenas para explorar o sucesso da Liga América tem uma coesão muito maior nas histórias que sabem dosar perfeitamente humor e aventura. A grande sacanagem do título, na fase inicial, é lotar a equipe na embaixada francesa, sendo que somente Ralph Dibny e o Soviete Supremo sabem falar francês! A equipe é ridicularizado constantemente. Criada apenas para ser uma cópia a equipe ganha força especialmente depois do primeiro ano, quando Bart Sears, o artista, chega a um ponto de maturidade artística adequado. Procure as edições com aventuras da equipe na época da fase Diet DC.

Um detalhe: A Editora Abril mudava o logo da revista de acordo com as histórias apresentadas. Se havia apenas histórias de uma das equipes, apresentava ou “Liga da Justiça América” ou “Liga da Justiça Europa”. Se havia histórias de ambas na edição apresentava “Liga da Justiça Internacional”.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…