Pular para o conteúdo principal

Histórias bem contadas


Relendo Liga da Justiça – Um novo começo eu vejo que o estereótipo da fase cômica atinge muito este arco.

Realmente a equipe já soltava piadinhas, o Lanterna Verde Guy Gardner era o machão de plantão da editora e realmente Batman deu um soco nele, tudo isso neste arco, mas o humor esculhambado só atingiria níveis estratosféricos nos arcos seguintes.

Infelizmente tudo mundo esquece que é uma boa história cercada de clichês. Há a entrada de heróis e os vilões contratados, e há o inocente maquiavélico que na verdade está sendo dominado por uma consciência estranha. Mas há nestas histórias mais naturalidade que houve em vários momentos da Liga.

Vamos por partes.

A equipe vinha de uma fase não tão elegante. Os membros originais foram afastados e a equipe ficou reduzida ao Caçador de Marte que recrutou Cigana, Gládio, Víxen e Vibro. O clássico satélite da década de 1970 foi destruído em Crise nas Infinitas Terras (1.985), e durante Lendas (1.986) a maxi-série seguinte da DC Comics acabou com a equipe, matando dois de seus membros: Gládio e Vibro. J’Onn extingue a equipe, que é reorganizada ao final de Lendas.

Keith Giffen e JM DeMatteis não eram desconhecidos em 1.987. Giffen já havia feito Legião dos Super-Heróis, Justice e Omega Men; DeMatteis já tinha feito Moonshadow, Marvel Team-Up e Capitão América, apenas para ficar nas obras mais representativas de ambos (sim eles tinham feito bem mais do quê isso). Kevin Maguire realmente era desconhecido, mas seu traço que privilegia expressões faciais casou bem com o tom da série.

A trama do arco era legal e atirava em várias direções sem errar nenhuma. A equipe estava se reorganizando e havia diferenças propositais entre os membros. Havia um empresário que gostaria de representar a equipe e transformá-la em algo “maior”... e consegue!  

Maxwell Lord consegue que a Liga se torne “Internacional”, sendo financiada pela ONU e com “embaixadas” em cada pais membro. Como forma de monitoria a URSS e os EUA obrigam a equipe a aceitar um Soviete Supremo e o Capitão Átomo, respectivamente. Além disso havia uma trama com o Coronel Rumaan Harjavti de Bialya, onde ele manipulava os heróicos Avanteadores (uma resposta da DC Comics ao Esquadrão Supremo, onde aqui se “homenageava” os Vingadores) numa série de eventos para conter armas atômicas.

Com oito edições todas as tramas abertas são resolvidas à contento, deixando lacunas de bom tamanho para que se continue a seguir, mas sem deixar a trama com a sensação de história incompleta.

E rir?

Bem, neste início você ria, achava graça, mas não era uma palhaçada como se tornaria, infelizmente até o esgotamento do tema por volta da edição 50. Era engraçado, mas não ridículo.

Um verdadeiro exemplo de história bem contada.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…