Pular para o conteúdo principal

Birras!

Uma das minhas atuais birras com a DC Comics é a série Superman/Batman, que não se sustenta.
Dizer que a série é tão importante que gerou uma animação é chover no molhado, já que a série sempre teve vendas expressivas e um bom elenco de autores. Seus arcos funcionam bem quando são considerados como publicados na “série única” de cada personagem, em contraponto não funcionam tão bem quando se considera que é apenas mais uma série que une dois personagens que fazem parte de núcleos editoriais fortes e distintos. Durante a vigência de Jeph Loeb e Ed McGuinness muito do universo do Superman foi respeitado. Teve espaço inclusive para duas Supergirls (Kara Zor-El e Cir-El), Aço e Superboy. De certo modo também concluiu uma trama longa onde o repórter Clark Kent juntava provas contra o Presidente Luthor – o tal arco que virou filme.
A condução desta trama é que não foi tão feliz!
Talia Head vendeu a LexCorp para as Empresas Wayne, mas a compra parece ter se revertido, já que Lana Lang está no controle da LexCorp. Luthor estava certo sobre o cometa de kryptonita que trouxe a Supergirl e que realmente foi atraído para cá por causa da existência do herói no planeta. O vilão também sofreu demência em função do contato com as rochas e com o composto de veneno. Se Batman pode perdoar Bane o quê dizer do Superman em relação à Luthor?
Provando os crimes de Luthor em Superman/Batman, Kent, o repórter, amargou o ostracismo em The Adventures of Superman, quando esteve alocado no Buraco, uma posição menos nobre no Planeta Diário, e na série 52 teve novamente que conquistar o respeito de seu editor pulando de uma janela para conseguir uma matéria, para apenas perdê-los novamente após o retorno de seus poderes em “Um ano depois”. Ou seja, a glória do resultado de uma reportagem bem feita não atingiu o repórter – o quê nos remete à “Kill Bill, Volume 2” onde Bill explana sua teoria em que Clark Kent é apenas o jeito em que Kal-El vê a humanidade: fraco, tolo, atrapalhado, incapaz de tomar decisões.
Excluindo a fase Loeb, que conseguiu terminar com um péssimo arco envolvendo Darkseid, Mxpltlk e Coringa – Vingança Máxima – temos mais tolices envolvendo Despero, Darkseid, Brainiac, o governo americano e kryptonita – por sinal a rocha e o novo deus do mal devem ganhar as medalhas de vilões residentes.
Sem ter muito a fazer até os anuais não acrescentam muito. “Superman/Batman Secret Files & Origins” desenhado por Ivan Reis só fez prelúdio ao arco “Inimigos Públicos”, enquanto “Superman/Batman Annual” nºs 1 e 2 só recontam histórias da Era de Prata com roupagem atual. Bonito como expressão, mas cansativo como motivação.
Não há como cancelar uma série que vende, mas já não é o mesmo de outrora. Em junho de 2008, a edição nº 49 vendeu nos EUA 52.579 exemplares, e nos meses seguintes tivemos a nº 50 (número clássico para edição comemorativa e início de arcos) com 61.321 exemplares, a 51 com 51.701, a 52 com cravados 50 mil exemplares e a nº 53 em outubro-2008 com 48.187. Nota-se então uma constante queda e que a alta da edição 50 é devido ao fato de ser edição comemorativa. Nem mesmo as séries especiais como “Superman/Batman vs. Vampiros & Lobisomens” recém publicada por aqui, vende bem. A edição nº 1 teve 27.825 pedidos e a 4 (de 6) já tinha 19.423, perdendo ¼ dos leitores de um mês para outro (a série foi quinzenal).

É de se estranhar que a série seja tão ruim já que tanto as séries do Superman, escritas por Geoff Johns, Kurt Busiek, Fabian Nicieza e James Robinson, e do Batman, escritas por Grant Morrison e Paul Dini, vivem uma maré de relativa tranqüilidade e excelência. Sequer usam a série para o uso mais adequado: numa saga hipotética envolvendo todas as séries de Batman e Superman, poderia ser o ponto de transição dos personagens.
Numa última análise lembra “World’s Finest Comic”, a série anterior da dupla: uma proposta tola, que é unir heróis que agem de forma diametralmente oposta, e um resultado que rende apenas um punhado de histórias dignas de lembrança.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…