Pular para o conteúdo principal

Terminou Contagem Regressiva


Terminou hoje (05/08) a Contagem Regressiva para a Crise Final – não importando o fato que a Crise Final começou quinze dias atrás... – uma das piores histórias escrita pela DC Comics.
Desnecessária, sem um objetivo claro (mas vários presumidos) a série é parte das séries semanais da editoras. A primeira foi “52”, a segunda “Contagem Regressiva” e logo começa a terceira “Trindade”, centrada em Batman, Superman e Mulher-Maravilha.
O principal objetivo presumido de Contagem Regressiva é apresentar o novo Multiverso da DC Comics, agora reduzido a 52 Terras. Para isto cria uma equipe sui generis que tem que trafegar pela Multiverso à procura de Ray Palmer (o Elektron). Os personagens principais são Donna Troy, o Lanterna Verde Kyle Rayner, o novo Elektron, Jason Tood, Jimmy Olsen, Harlequina, Mary Marvel,
Flautista, Forrageadora e muitos Monitores e outros tantos vilões que não vou nem tentar listar.
Não cumpre bem, visto que a “Terra-2” só voltaria em “Justice Society of America Annual # 1” e faz parte do arco “Um mundo sob Gog” da equipe, e nem mesmo outras Terras como a Terra-51 (Universo WildStorm), a Terra-3, entre outras.
A série é ruim por que é longa e redundante e envolvida demais com passagens de outras séries publicadas pela editora como “O ataque das amazonas” e “A morte dos Novos Deuses”. Este tipo de ligação realmente não atrapalha a série. O quê atrapalha são personagens pouco cativantes e modificações que não vão dar em nada. A principal é o Jimmy Olsen, um dos personagens chaves que termina com uma queda de braço com Darkseid! Resultado? Continua um pacato fotógrafo – e se lembrar-mos que Geoff Johns está aproximando o casting do Superman das raízes, teremos mais uma vez o fotógrafo-foca.
Algumas edições só são salvas pelas duas páginas com origem de vilões que teve novamente bons artistas.

Depois que li a terceira edição nacional passei a não esperar muito coisa e talvez venha daí a surpresa das últimas edições que ficaram menos ruins. A origem para a Terra de Kamandi rocambolesca ao extremo é na verdade um achado (as feras de uma Terra foram evoluídas por um vírus do futuro) e casa bem com o estilo de Jack Kirby, autor que criou Kamandi e Os Novos Deuses, além de ter dado uma projeção especial para Olsen quando assumiu sua série.
Posteriormente iremos analisar todas as Terras vista na série.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…