Pular para o conteúdo principal

A volta da Saga do Clone

Quando pensei em criar um blog sobre quadrinhos, fatalmente veio à minha mente a postura pouco combativa dos leitores, daí o título "O silêncio dos carneiros" (que não deixa de ser uma citação ao livro/filme O silêncio dos inocentes, no original The silence of the lambs).

Os leitores não exprimem seus desejos e as majors publicam merda, enchem nossos armários, nós silenciosamente aceitamos de bom grado, como se fosse bom tudo que eles produzem.

A saga dos clones é uma das piores histórias do Homem-Aranha simplesmente por que os editores estenderam um arco que deveria ter uma duração de nomáximo três ou quatro meses, para quatro anos (desde os primeiros indícios até a conclusão). Nisto incluiram uma série de personagem secundários e situações redundantes.

A toda hora surgia um novo clone que poderia ser o verdadeiro Aranha, como na imagem abaixo:

Numa única página um Peter e três clones!
No final já tínhamos Peter Parker, o Aranha Escarlate e Kane como personagens fixos, além de uma série de personagens coadjuvantes e vilões que se desgatavam rapidamente. Até mesmo um vilão clássico como Dr Octopus morria apenas para dar lugar a uma substituta e depois retornar nas mãos do Tentáculo!

As situações se repetiam e não pareciam que tinham final, então a Marvel decidiu causar uma grande mudança!


Peter não era Peter! Peter era o clone!

Os anos se passaram e mostraram que tudo não passou de uma boa idéia levada até a exaustão!

Mas não!

A Marvel que já está retornando com conceitos antigos da editora decidiu retornar com a série, e olha que não é a primeira tentativa já que em Ultimate Spider-Man o assunto já tinha voltado à baila.

A Marvel já retornou com Massacre, já retornou com o Beyonder, já retornou com a Guerra Skrull/Kree, já retornou com Born Again, e em Dark Reign vai mostrar conceitos que Atos de Vingança já haviam mostrado - como o conceito geral de Guerra Civil, que permeia o universo da editora desde a época de Massacre dos Mutantes.

Talvez o único grande evento que ainda não tenha sido citado de forma muito direta seja "Inferno", mas não tenho acompanhado os mutantes.

Ao assinalar com a possibilidade dos autores escreverem um desenvolvimento diferente para a história (ago que por sinal, também já havia acontecido com a verdadeira identidade do Duende Macabro), a Marvel mostra que nunca houve seriedade com o publicado e que tudo foi um acaso que sofreu intermináveis interferências editoriais - não que a DC seja muito diferente, pois não é!

A melhor coisa que poderia ser feita era simplesmente esquecer que isto foi publicado - como havia sido até agora! - e continuar a vida, esquecendo que Kane & May Watson-Parker podem surgir por aí a todo o momento!

Por sinal com as mudanças na cronologia do Aranha a história servirá para quê realmente?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…