Pular para o conteúdo principal

Mulher-Maravilha: Guerra [Panini, 2018]

O ponto mais difícil para um autor é saber quando dizer “Fim”. As histórias coletadas em “Guerra” são exemplos claros disto.

Nos volumes anteriores descobrimos que Diana é filha de Zeus e que há um novo “último” herdeiro, dono de uma maldição própria. A heroína decide proteger a criança e agrega alguns personagens interessantes, outros nem tanto, mas se destaca Órion de Nova Gênese, visto que foi na série Wonder Woman de Os Novos 52 que a DC Comics decidiu trazer para o Universo DC o conceito de Os Novos Deuses.

A série é visualmente interessante e tem conceitos de arte originais para representar os deuses e semideuses, mas parte da magia se perde na quarta edição exatamente porque já vimos tudo aquilo antes. E é isto! Surge mais o inimigo bestial, o “Primogênito”, mais uma luta, mais feridos e em determinado momento da trama Orion decide levá-los para Nova Gênese para tratar os ferimentos e para dar um respiro. Surge a edição 22 que é o interlúdio no mundo dos Novos Deuses sem, no entanto, aprofundar muito nas motivações, apresentando um Pai Celestial mais militar e menos tolerante com Órion. Deixa claro que teremos mais para a frente.

A irritação é que a última edição (23) termina sem terminar a trama, deixando tudo em aberto, deixando claro que as edições #19-23 foram “apenas” um capítulo e o melhor resumo do capítulo é “um inimigo poderoso se estabelece, conhecemos Nova Gênese e um amigo caí” é isto que acontece na edição.

Chocada com mortes ditas desnecessárias, a heroína decidir não matar o antagonista que vitimou tantos companheiros e segue para velar pelo meio-irmão tombado. Estende a conclusão de parte da trama para os arcos seguintes, ao meu ver desnecessariamente. Há uma certa beleza e até poesia no desenrolar, mas como não há conclusão de fato e tudo fica em aberto para uma nova rodada do conflito que era o foco da edição, então soa mal. Novamente muito volume de papel para pouca história.

Mulher-Maravilha (volume 4): Guerra; Panini Comics, 2018, ISBN 978-85-4260-988-2; reúne Wonder Woman #19-23 com texto de Brian Azzarello, lápis de Cliff Chiang e Goran Sudzuka e finais de Tony Akins e Dan Green.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!