Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos volume 09: Aqui permanecemos (2012)


[Trama]
Após a destruição e a fuga da prisão onde habitaram por uma temporada, Rick Grimmes e seu filho, Carl tornam-se errantes, mas reencontram os sobreviventes do grupo, primeiro Michone, depois Gleen, Maggie, Dale, Andrea, Ben, Billy e Sophia, estes que haviam retornado fazenda da família de Hershell.

Pouco depois chega à fazenda o Sargento Abraham Ford acompanhado de Rosita Espinosa e pelo doutor Eugene Porter em missão para ir à Washington, pois lá haveria a chance de concertar toda a bagunça provocada pela praga!

[Opinião]
Aqui permanecemos foi publicado no Brasil em junho de 2012, então após a segunda temporada da série de TV. O encadernado trata de assuntos após as tramas da prisão e Woodbury. A segunda temporada exibida entre 2011/2012 tratou basicamente da Fazenda de Hershell e não tocou no assunto da prisão ou Woodbury. A trama da prisão foi apresentada na série na temporada 3 e Woodbury introduzida na 3ª, mas desenvolvida na quarta e quinta temporadas.

A edição reúne The Walking Dead #49-54 e A história de Michonne (Playboy, abril de 2012) e é possível ver uma ruptura entre o formato de encadernados da Image/HqM Editora e a trama. O encadernado anterior termina a história da prisão, mas as edições #49-51 são extensões deste período, um posfácio. Nestas três histórias Carl amadurece e percebe que seu pai não é infalível, ao mesmo tempo em que Rick tem uma convalescença fruto de uma bala durante o ataque à prisão – um truque é não usar o ex-policial na capa da série mensal, criando uma expectativa sobre ele estar ou não vivo.

Há espaço para a loucura de Rick provocada pela solidão e perdas recentes, assim como pelas suas responsabilidades diante destas perdas. Ele conversando com um telefone mudo e levando o aparelho consigo me lembra em muito um filme com Whoopie Goldberg chamado O telefone, praticamente uma peça de teatro filmada e também praticamente um monólogo. Vale a pena conhecer para comparar a dor da perda em ambos os casos.

A edição seguinte (#52) mostra o reencontro com os amigos e as edições finais do encadernado (#53-54) inserem alguns conceitos como horda e a possibilidade da praga ter origem em uma tentativa de criar um vírus genético específico para determinada etnia. Vale ressaltar que Os mortos-vivos nunca foi sobre o quê motivou a praga e, então, estranha-se de imediato quando um cientista diz ter se envolvido com um experimento e que chegando em Washington ele poderá auxiliar a resolver a situação. Mas já que a longa trama de Woodbury tinha tomado um grande espaço na série, era pouco provável que imediatamente Kirkman os levasse a uma outra comunidade de sobreviventes com características semelhantes. Ainda assim, mesmo um corpo estranho na trama, faz sentido em uma narrativa. Uma missão deixa o grupo coeso e com um objetivo. Agora é chegar em Washington e lá encontrar os resquícios de uma civilização. De lá reconstruir o mundo.

Porém desde o primeiro momento o leitor sabe que a pílula não é tão suave.

A introdução de Abraham e seu foco militar e o distanciamento de Rick das decisões tornam a série crível novamente. Rick é falível e certamente poderia ser qualquer um. Agora o grupo decide em um coletivo, com o passar das edições Abraham ocuparia um lugar neste coletivo. Diante do aviso da existência da horda – algo como uma manada de zumbis seguindo a esmo sons que se propagam e procurando aplacar sua fome – o grupo decide investir na missão à Washington e dá adeus definitivo à fazenda. É bem trabalhada a dor da perda de Maggie.

Como militar Abraham tem uma função no grupo e faz sentido aceitá-lo, assim como Eugene. Rosita, no entanto, que entra calada e sai muda, é o típico personagem que quando morrer nem saberemos quem foi.

Colocar a história da Playboy americana na edição foi uma sacada, pois ela tinha saído nos EUA há pouco tempo. Na época a emissora estava divulgando imagens de Michone, que tornou-se um personagem tão complexo na TV quanto nos quadrinhos.

De um modo geral, o volume é um excelente ponto zero para atrair leitores.

Os mortos-vivos volume 9: Aqui permanecemos. Texto de Robert Kirkman, lápis e finais de Charlie Adlard e tons de cinza Cliff Rathbur. HqM Editora, junho de 2012. ISBN 978-85-998-5949-0.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…