Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [Arco 080]: Terror of the Zygons

Após receber através da TARDIS um comunicado do Brigadeiro Lethbridge-Stewart (Nicholas Courtney) o Doutor (Tom Baker) e seus companheiros Sarah Jane Smith (Elisabeth Sladen) e Harry Sullivan (Ian Marter) retornam para a Terra para auxiliarem em uma nova crise.

[Localização no Continuum]
Terror of the Zygons é o 80º arco da série de TV britânica Doctor Who, exibida pela BBC. É o primeiro arco da 13º temporada. É composto de quatro episódios com 25 minutos em média e foi exibido de 30/8/1975 a 20/09/1975.

[Trama]
De volta ao presente (1.975) o Doutor auxilia o Brigadeiro a enfrentar uma misteriosa criatura que está destruindo plataforma petroleiras e ameaçando criar uma crise energética, ao mesmo tempo em que um Duque escocês cria dificuldades para as ações da UNIT em suas terras.

Surgem os Zygons, uma raça alienígenas com poucos membros no planeta Terra e que planeja usar seu monstro ciborgue, o Skarassen para tomar o poder e transformar o planeta para receber sua raça, agora sem o mundo natal, destruído em uma catástrofe. O Skarassen era, na verdade, o Monstro do Lago Ness, região onde se escondia e onde estava o castelo do Duque que era utilizado como acesso à nave dos alienígenas.

Com visual interessante e tecnologia que em vários momentos assemelhasse a bio-tecnologia, pelo tom avermelhado de carne que os produtores dão aos equipamentos, esta trupe de Zygons estaria há séculos no planeta Terra – algo confirmado quase quarenta anos depois quando no Especial de 50 anos da série eles aparecem em uma trama no passado.

A grande habilidade destes aliens é assumir a forma de pessoas utilizando-se um equipamento que as mantêm inconscientes. Durante o episódio além da forma de Harry Sullivan os Zyngons tomam a forma do Duque, de seu guarda-caças e de uma pouco simpática enfermeira.

[Curiosidades]
Ao atender um telefonema do Primeira Ministro, o Brigadeiro Lethbridge-Smith responsável pelo braço militar UNIT diz “Senhora” em vários momentos. Naquele momento Margaret Thatcher já era líder do Partido Conservador, mas somente seria ministra a partir de 1.979. Talvez fosse uma alusão à sua influência.

Harry Sullivan deixa a companhia do Doutor e Sarah, mas voltaria a aparecer na série na temporada seguinte. O ator Ian Marter adaptou vários roteiros da série para o formato de novelas, além de escrever material inédito em que o médico novamente age com o quarto Doutor e inclusive um spin-off chamado Harry Sullivan's War. Este episódio também marca a aparição final do Brigadeiro por vários anos – até Mawdryn Undead.

Posteriormente na 22ª temporada o status do Skarassen como um ciborgue criado pelos Zygons seria revisto.

-1
(Arco 79)
0
(Arco 80)
+1
(Arco 81)
Terror of the Zygons





Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…