Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [Arco 079]: Revenge of the Cybermen

Continuando o ciclo de viagens do Doctor e seus companheiros Sarah Jane e Harry Sullivan, retornam à Estação Nerva mas em outro momento do tempo, o quê é percebido imediatamente pela falta da TARDIS. Agora eles se envolvem em um conflito entre os sobreviventes da estação acometidos por uma praga, o povo do planeta Voga e os Cybermen!

[Localização no Continuum]
Revenge of the Cybermen é o 79º arco da série de TV britânica Doctor Who, exibida pela BBC. É o quinto e último arco da 12º temporada. É composto de quatro episódios com 25 minutos em média e foi exibido de 19/4/1975 a 10/5/1975.

[Trama]
Retornando à Estação Nerva – mas em outro momento do tempo – o trio descobre que a tripulação humana foi atacada por uma praga que é, na verdade, um veneno inoculado por um Cybermat. Em quarentena em função da suposta praga, a Estação, chamada de Farol Nerva e com visual muito semelhante ao Satélite da Liga da Justiça (veja aqui reviews da Era do Satélite) orbita um asteroide aparentemente sem vida.

Mas o professor Kellman sabe que o asteroide Neo Phobos é, na verdade, o planeta Voga e tem vida inteligente, que se sente ameaçada pelos Cybermen. Age então como agente duplo, ou melhor, triplo. Serve aos interesses dos vogans, que vivem nos subterrâneos de um planeta com núcleo de ouro, metal que os Cybermen temem pois prejudicam suas funções lógicas. Kellman também serve aos androides que armam um plano para destruir o planeta explodindo bombas, enquanto os vogans planejam enviar um míssil para destruir o Farol Nerva.

Novamente um episódio baseado na perda do meio de transporte, já que a TARDIS está desaparecida desde o início. A trama defende a ideia de que o trio retorna à Estação Nerva milênios antes da trama de The Ark in Space e que aguardará a nave inteligente do Doutor resgatá-los.

[Uma curiosidade]
Ao observar Jupiter é dito que o planeta tem 12 luas, como era conhecido em 1.975. Anos depois descobriram mais satélites naturais para o planeta. De modo a explicar esta “inconsistência” da série na novela To The Slaughter (2005), uma história do oitavo Doutor escrita por Stephen Cole, descobrimos que as luas “excedentes” foram destruídas para tornar o sistemar solar atrativo a investimentos e com design feng shui. O autor do livro revela que inseriu intencionalmente o detalhe para corrigir a inconsistência da série.

-1
(Arco 78)
0
(Arco 79)
+1
(Arco 80)
Revenge of the Cybermen












Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…