Pular para o conteúdo principal

Broadchurch


A TV produz enlatados aos lotes partindo quase sempre da premissa que estiver em moda no mercado. Uma delas, no momento, é dos assassinatos, das investigações.

Broadchurch, série inglesa criada e escrita por Chris Chibnall é mais do mesmo, ainda que se diferencie por boas atuações que nos permitem crer no demonstrado: a ruptura de uma estrutura social a partir de um assassinato.

Broadchurch é uma pequena cidade de veraneio com 15 mil habitantes. Um garoto é assassinado e aparentemente ninguém tem motivo para matar um menino de 11 anos. A família e, de certo modo, parte da cidade é envolvida em um processo de acusação e defesa: o jornaleiro com um histórico de pedofilia, o padre alcoólatra em tratamento, o pai ausente e com relacionamento familiar desgastado, a mulher misteriosa e mal-humorada. Todos tem álibis fracos e algum segredo que não desejam que seja revelado que, segundo eles, “não tem nenhuma relação com a morte de Danny”.

É legítimo que desde o primeiro momento o expectador tem interesse em saber o “quem” e o “por quê”, este ainda mais que o primeiro, mas a série se sustenta na figura da dupla de investigadores principal, que remete aos melhores momentos de Arquivo X em termos de química: ela, Ellie Miller (Olivia Colman), uma policial que não conseguiu a promoção que desejava, dedicada mãe de família que tem de trabalhar com um novo chefe, que ocupa o cargo que seria seu. Ele, Alec Hardy (David Tennant) introspectivo, metódico e assombrado por um caso dezoito meses antes em que a perda de uma prova pôs sua carreira em risco, encerrou seu casamento e lhe rendeu um problema cardíaco.

O GNT está reprisando a partir de segunda, 11 de novembro, mas originalmente foi ao ar entre agosto e setembro de 2013.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…