Pular para o conteúdo principal

Wild Cards vol 1: O começo de tudo


Eu conheci o conceito de Wild Cards quando conheci a Devir Livraria e passei a acompanhar publicações importados, RPGs e, por extensão, as publicações da Editora Globo em um momento em que abandonava a infância e iniciava realmente a adolescência.

O conceito geral da série, assim como na série animada Caverna dos Dragões (Dungeons & Dragons) era dar vida literária à narrativa feita por um grupo de jogadores de RPG – Role Playing Game. Entre os componentes deste grupo George R R Martin, que na década de 2010 ficaria mundialmente famoso depois que seu épico literário, As crônicas de gelo & fogo, foi adaptado para a TV pelo canal HBO como Game of Thrones.

A trama do primeiro volume cobre um período que vai de dias antes de 15 de setembro de 1946, até um obscuro período punk posterior à 1976, sendo fácil dizer que chega à década de 1980. A narrativa é construída por contos, noveletas ou novelas de prestigiados (e desconhecidos em sua maioria) autores de ficção que narram como a chegada do vírus carta selvagem alterou ou influenciou a vida de seus personagens.

[A trama]
Em 15/09/1946, apesar da tentativa do príncipe alienígena Tachyon de impedir a liberação do vírus carta selvagem em nossa atmosfera, ele é liberado sobre Manhattan alterado o código genético dos contaminados. 90% morrem imediatamente! Os sobreviventes, na razão de 9 para 1, tornam “curingas” e “ases”.

Os curingas são seres humanos deformados: trombas onde havia nariz, pele invisível que mostra músculos, bílis sangue; tornar-se um animal ou parte animal, com a adição de cascos, chifres. Os ases são aqueles que adquiriram habilidades que não os afastam do público e poderiam passar por humanos, escondendo, caso desejem suas habilidades. Dentre estes últimos há ainda os “dois de paus”, não deformados que adquiriram habilidades pouco práticas ou ridículas.

Cada conto narra como o vírus carta selvagem afetou uma pessoa ou um grupo e as escolhas que esta pessoa ou grupo tomaram a partir daí. Porém diferente de um constante recomeço em 1.946, as narrativas se aproximam rapidamente da contemporaneidade (os anos 1980), mostrando pessoas que quando iniciam as narrativas já possuem as habilidades há anos.

Colando tudo a presença do Dr Tachyon e sua responsabilidade com os afetados.

[Impressões]
A trama tem uma qualidade superior à sopa primordial de inspiração, os quadrinhos. Os personagens parecem tridimensionais: em um o adolescente de 14 anos que perdeu o pai decide a vida de crime como maneira de sustentar a família; noutro um personagem não se furta a violentar um cadáver masculino para conseguir respostas pois seu poder é ligado ao intercurso sexual, e num aspecto geral o universo ficcional deixa bem claro que a segregação é parte da vida das pessoas que foram contaminadas direta ou indiretamente (herança genética) em 15 de setembro de 1946.

Ao trabalhar com falhas (ou com um triplo 6 nos dados) temos “heróis” plausíveis como Jetboy, Fortunato, Croyd e especialmente o príncipe Tachyon e suas escolhas que envergonhariam os heróis tradicionais pela riqueza e clareza. Os personagens em Wild Cards tomam decisões que eu tomaria e fazem escolhas menos nobres, que diante daquelas situações eu faria. Para mim é mais tridimensional que um vigilante sombrio cercado de meninos e garotas em trajes aberrantes e combatendo um palhaço irrecuperável que mata dezenas a cada fuga da prisão.

Wild Cards vol 1: O começo de tudo (2013), Leya, ISBN 978-85-8044-510-7, tradução de Wild Cards – the book that started it all, editado por George R R Martin.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…