Pular para o conteúdo principal

Batman: Arquivo de Casos Inexplicáveis

Tradução de Batman: Black casebook Arquivo de Casos Inexplicáveis traz uma coletânea selecionada por Grant Morrison das aventuras do homem-morcego que supostamente o teriam inspirado durante sua passagem na série do vigilante.

Traz Um parceiro para o Batman (Batman #65/1951), Cacique Batman (Batman #86/54), Os Batmens de Todas as Nações (Detective Comcis #215/55), O primeiro Batman (Detective Comics #235/56), O Clube dos Heróis (World's Finest Comics #89/57), O homem que acabou com a carreira do Batman (Detective Comics #247/57), Eu sou mesmo o Batman? (Batman #112/57), Batman – O Superman do Planeta X (Batman #113/58), Batman conhece o Batmirim (Detective Comics #267/59), A criatura arco-irís (Batman #134/1960), Robin morre ao amanhecer (Batman #156/63) e A criatura Batman (Batman #162/64), todas histórias profundamente ligadas ao padrão narrativo fantástico vigente entre os anos 1950/60 quando o Batman abandonou o confronto com criminosos e passou a ser um vigilante acessível, boa praça e companheiro, geralmente enfrentando monstros, alienígenas ou super-seres. Os gangsteres ainda estão lá, mas são pouco cruéis e funcionam quase que como bobos capazes de planos mirabolantes que inevitavelmente falham quando confrontados pela dupla dinâmica. Observa-se também a ausência dos vilões ditos clássicos do herói como Coringa, Charada, Pinguim ou Duas-Caras.

Panini Comics, ISBN 978-85-6548-462-6, encadernado de capa dura, 148 páginas, 2013.

* * *

Longe de se criticar a publicação ou republicação de histórias clássicas, o que se critica é a atitude oportunista da DC Comics em coletar e carimbar as aventuras com um selo de “histórias que inspiraram Grant Morrison”. O autor esclarece na introdução que algumas aventuras ele nem leu. Longe de ser uma coleção pensada como um resgate de uma produção de qualidade Batman: Arquivo de Caos Inexplicáveis reflete apenas uma tentativa vã de a DC Comics evidenciar que Morrison não criou “do nada” seus delírios recentes no homem-morcego e assim empurrar ao leitor uma coleção de histórias questionáveis que geralmente passaria ao largo.

Ao mesmo tempo deixa claro que o nome Grant Morrison atrai os leitores da Panini Comics que além da publicação de diversas séries mensais em que o autor participou investe na reedição de várias delas em formato encadernado (Novos X-Men, Flex Mentallo, Grandes Astros: Superman e toda sua passagem em Batman). A curiosidade é quando será o momento de publicar Patrulha do Destino já que publicou Flex Mentallo, um spin off da série e a elogiada série Homem Animal.

Compre por sua conta e risco.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…