Pular para o conteúdo principal

Elric: The Caravan of Forgotten Dreams

Elric,” said Zarozinia, “have you found your happiness?”
He nodded. “I think só. Stormbringer now hangs amid cobwebs in your father's armoury. The drugs I discovered in Troos keep me strong, my eyesight clear, and need to be taken only accasionally. I need never think of travelling a fighting again. I am content, here, to spend my time with you and study the books in Karlaark's library. What more would I require?”
.

Science Fantasy #55 (out, 1962), originalmente intitulado The Flame Bringers.

Elric está em relativa paz, vivendo com a esposa em Weeping Waste, até que Moonglum retorna com a notícia de que o oriental Terarn Gashtek, Lord of the Mounted Hordes está se preparando para invadir todos aqueles reinos ocidentais.

Primeiro Elric resgata Stormbringer do armorial do sogro, e a contragosto de Zarozinia, se alista com seu companheiro nas tropas de Gashtek, para encontrarem uma maneira de libertar Drinij Bara, um mago que o lorde invasor mantêm cativo e que supostamente seria a razão das sucessivas vitória.

Ao mesmo tempo, Elric envia um mensageiro para conseguir a ajuda de Dyvin Slorm, filho de seu primo Dyvin Tvar, e seu exército de dragões.

Nota-se claramente uma tentativa de ruptura entre Elric e sua espada amaldiçoada, mas, ao mesmo tempo, ele não abre mão de feitiços e invocações, que no universo em questão não são apresentados de forma a que o tornem corrupto. Elric quer distância de Stormbringer e crê que conseguiu seu intento.

A narrativa de Michael Moorcock consegue criar narrativas empolgantes a partir de arquétipos simples, como a princesa em perigo, o rei que retornará (no conto anterior, Kings in Darkness, por exemplo) ou ainda o enfrentamento contra tropas orientais, neste conto. Novamente o leitor moderno fica com um gosto amargo na boca porque já viu todas estas narrativas em histórias mais recentes, algumas certamente inspiradas no trabalho de Moorcock.

Nada disso diminui a importância ou a qualidade dos contos, mas devo agir como o advogado do diabo e chamar atenção sobre o fato, para que o leitor não fique com a impressão de que irá ler narrativas inovadoras. Se em 1.962, quando foram originalmente publicadas já não eram inovadoras já que o autor não esconde a origem em Robert E Howard – apenas para ficar em um exemplo – imagine em 2.013.

Mas são aventuras bem narradas e com um detalhe adicional do personagem principal, um anti-herói, um homem escravizado por escolhas constantemente ruins. Chega ao ponto de o pai de sua esposa, Zarozinia, ter certeza de que ele trará maldição para sua filha e para sua cidade e os mantêm em um lugar ermo, distante.

Ao leitor cabe rir nestes momentos de felicidade de Elric de Melniboné, lembrar das desgraças que suas escolhas já provocaram, e esperar até o momento em que sua associação com seu lorde-demônio patrono Arioch e sua espada vampira de almas Stormbringer o levarão a uma fatalidade maior e definitiva.

As imagens deste post são da série Elric - Bane of the Black Sword edição #05 da First Comics.



Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…