Pular para o conteúdo principal

Messias de Duna

Tenho um certo horror a apêndices e esta é a sensação que fica ao ler Messias de Duna de Frank Herbert (Tradução Maria do Carmo Zanini, Editora Aleph, 2012, ISBN 978-85-7657-116-2): ele é um apêndice de Duna (veja aqui).

Messias de Duna (Dune Messiah) é o segundo livro de uma série de seis volumes escritos por Frank Herbert. Após a morte do autor a série teve retrocontinuidade em tramas escritas por Brian Herbert, filho de Frank, e por Kevin J. Anderson. A história de Dune Messiah foi serializada na revista Galaxy em 1.969 antes de ser publicada no formato livro, assim como a história de Children of Dune, o livro seguinte.

A trama principal deste livro é sobre uma conspiração da Guilda, dos Fremen e das Bene Gesserit contra o Imperador Muad'Dib, Paul Atreides. Não há um detalhe inovador nisso, nem com a introdução do ghola de Duncan Idaho, chamado Hyat. Explico: o ghola é a carne reanimada de alguém morto. Durante o livro surge e permanece a tensão que Hyat irá trair Paul, mas há o choque das quebras de destinos. Mesmo lendo o futuro, Muad'Dib não é capaz de compreendê-lo por todo e vários são os acontecimentos cujas estradas não foram previstas.

Apesar de curto, com apenas 215 páginas, o livro é um extenso tratado imperfeito sobre como os mitos se tornam mais importantes de que os fatos. Muad'Dib trouxe água para Arrakis e tornou o planeta o centro de seu império, mas terá que enfrentar inimigos que não são a força bruta dos Harkonnen, os vilões do primeiro volume. Estaria ele preparado para este jogo político? Estaria ele preparado para assumir um papel mítico nos fatos e se tornar um messias apenas, refém das lendas e mitos? E sua irmã, transformada em uma abominação ainda no ventre de sua mãe quando esta ingeriu a especiaria, seria capaz de assumir o papel esperado de uma Reverenda Madre Bene Gesserit?

Infelizmente o desenrolar não convence. É uma trama longa – ainda que, repito, um livro curto – onde todos são peões em um jogo cósmico. Funciona apenas como prelúdio do volume 3 de As crônicas de Duna, mas ao mesmo tempo demonstra que Frank Herbert poderia facilmente ter estendido a trama em conflitos militares nos doze anos de cronologia que separam Duna de Messias de Duna. Não quis certamente por não ser esta a história que desejava contar, mas se estranha que o tom messiânico seja usado apenas para dar um previsibilidade para os fatos. Nada surpreende em Messias de Duna e só há uma tensão legítima, quando muito, apenas para saber quando as coisas ocorrerão.

Acima de tudo é um livro de transição. Não funciona sozinho e só pode ser considerado um apêndice ou um prelúdio, não exatamente uma história. Infelizmente é uma obra menor, a ser lida apenas como um passo para ler a obra por completo.

De qualquer modo a Editora Aleph, famosa por publicar os romances de Star Trek nos anos 1.990, continua a sua missão de reeditar as obras de ficção científicas. Trouxe Isaac Asimov, com sua A Fundação e sequências, Phillip K. Dick, Edgar Rice Borroughs, entre outros. Concentrando-se em novas traduções de obras há muito fora do prelo, a editora foi criticada por alguns que argumentam que não há renovação. Mas a iniciativa da Aleph é louvável e cria condições para que em breve haja volumes realmente inéditos e narrativas recentes no mercado nacional. Basta que os leitores comprem.

Frank Herbert's Dune
(As Crônicas de Duna)
1
Dune (1965)
2
Dune Messiah (1969)
3
Children of Dune (1976)
4
God Emperor of Dune (1981)
5
Heretics of Dune (1984)
6
Chapterhouse: Dune (1985)

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…