Pular para o conteúdo principal

Justice League, The Satellite Years: 1971


1971 começou como terminou o ano anterior, muitas aventuras queriam mostrar os empresários como estúpidos gananciosos que não se importavam com a poluição, e como já vimos não raro eram alienígenas.


A edição #87 trouxe mais um exemplo na confusa trama “Batman-- King of the world”, uma trama especialmente bizarra. Dividida em duas partes a trama peca por atirar em várias direções e não se preocupar em contar uma história com início, meio e fim. Na primeira parte Batman & Gavião Negro são dominados mentalmente por robôs gigantescos e alienígenas no Peru. Era mês de visita de Zatanna (com cartola e meia arrastão) e os heróis enfrentam os robôs, que enlouqueceram o homem-morcego que por sua vez exige a morte dos colegas.

Resolvido a primeira parte na página 15 da edição – lembre-se que a média era 21 páginas – Lanterna Verde, Flash, Zatanna e Elektron vão para Cam-Nam-Lao (“a planet once dominated by highly competitive business corporations”) e lá enfrentam os Heróis de Angor, em um primeiro momento equivalentes genéricos dos heróis da Liga (Jack B. Quick, um velocista; Blue Jay, um humano em tamanho miniaturizado e com asas; Silver Sorceress, uma feiticeira e Wandjina, o deus aborígene australiano das chuvas), mas uma análise mais apurada nos mostra uma versão dos Vingadores, a equipe de heróis da editora rival.

Acreditando que a outra equipe é responsável pelos robôs há uma batalha, mas o fato de que Zatanna se preocupa com Blue Jay, ferido, faz com que os Heróis de Angor e a Liga encerrem a questão. Por Mike Friedrich, Dick Dillin & Joe Giella.

A edição #88 (março) trouxe “The Last Survivors of Earth!” onde uma nave vinda de Mu cria ameaças ligadas ao clima. A Liga falha em impedir estas ameaças, mas seres humanos comuns obtêm sucesso, mostrando que todos são especiais. Se a história em si não é muito significativa, Friedrich põe um ponto final do romance de Canário Negro & Batman, fazendo a moça dizer que o vê como um irmão e quem a atraia realmente era o Arqueiro Verde.

The most dangerous dreams of all!” (#89, maio) traz a história do escritor que sonha com os enredos de seus textos e rompe a barreira entre realidade e fantasia, pondo os heróis em risco. Apesar de um bom plot geral o desenvolvimento das histórias escritas por Friedrich era bem ruim, por um lado distante do padrão de bem versus mal, mas por outro, também usando e abusando de soluções deus ex machina.

Plague of the pale people” (#90, junho) mostra uma revolta das “pale people” no reino submarino de Aquaman. O príncipe Nebeur usa um gás criado pelos homens da superfície para fazer frente à Aquaman e seus amigos, mas a história ruma novamente para o conflito entre homem e a poluição e sobre a importância das pessoas comuns. Nesta altura eu já sinto falta dos conflitos maniqueístas padrão da indústria.

Esta falta não é suprida com o encontro da Liga & Sociedade da Justiça naquele ano. Justice League of America #91-92 (ago e set/1971) apresenta “Earth the monster-maker” e “Only someone who is unique to both Earths...” um dos piores encontros de verão que já li (veja o review aqui). 

Produzido pela equipe padrão da série, vale como curiosidade o fato que Kal-El e Kal-L eram retratados com a mesma fisionomia, sem nenhuma grande diferença. Outro fator interessante é que o Robin da Terra-1 (a “nossa” Terra) ganhou um novo uniforme, mas os meses fizeram que esta variação se tornasse o terceiro uniforme do seu equivalente na Terra-2.

A edição #93 (out-nov/1971) é um Giant Size que traz o reprint de Riddle of the Robot Justice League (#13, ago/1962) e Journey in the micro world (#18, mar/1963), ambas por Gardner Fox, Mike Sekowski e Bernard Sachs.

Em seguida temos “Where strikes Demonfang?” (#94, nov) por Mike Friedrich, Dick Dillin e Joe Giella.com algumas páginas com arte de Neal Adams. É, na verdade, um protótipo do tie-in moderno. Aqui tramas que estão ocorrendo em Batman se estendem para a série da Liga quando o Sensei, líder da Liga dos Assassinos, envia M'Naku e em seguida o arqueiro Merlyn para eliminar o homem-morcego. Ao mesmo tempo, Desafiador que tinha uma pista do possível crime, domina Aquaman e tenta auxiliar a equipe, mas evidentemente é descoberto pelo maior detetive da DC Comics.

O ano termina (#95, dez) com outra história de conteúdo social quando um soldado negro retorna da guerra e não encontra uma sociedade que o recebe de portas abertas. Mutante (olha aí, um mutante na DC) desenvolve o poder de controle de massas pela voz, torna-se um cantor típico da geração paz & amor, mas erros de avaliação o fazem enviar pessoas comuns contra os heróis. Percebendo seu erro, ordena que a turba dirija o ódio a ele e ferido, perde seu poder. Nesta época Friedrich já usava a última página para evidenciar a trama do número seguinte, algo que fez diversas vezes durante o ano. Arte de Dillin e Giella.

De um modo geral o melhor do ano seria a criação dos Heróis de Angor, que só teriam realmente importância para as tramas da Liga dezesseis anos depois na série Justice League de Keith Giffen, JM DeMatteis e Kevin Maguire e o tie-in com as tramas de Detective Comics/Batman e Brave and the Bold (a edição #94). De resto muitas tramas de apelo social dispostas a evidenciar as injustiças, a falta de preocupação dos empresários com a poluição e que, apesar de seu caráter dúbio, o ser humano comum é capaz de escolher o bem da maioria.

Sinceramente Friedrich não explorava o potencial do grupo como força de combate à grandes ameaças, como Os Vingadores da Marvel, que também tinham tramas de caráter humanista, mas rendiam-se facilmente à ação no padrão Marvel.


The Satellite Years
Ano
Edições
1970
1971
#87-95























Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…