Pular para o conteúdo principal

Michael Moorcock's Multiverse (1997)

Michael Moorcock's Multiverse é uma série em 12 partes escrita por Michael Moorcock e publicada no selo Helix da DC Comics, um selo de sci-fi que teve uma breve vida na segunda metade dos anos 1.990. O principal título do selo, Transmetropolitan de Warren Ellis & Darick Robertson, foi transferido para o selo Vertigo e o Helix foi encerrado em 1.998.

Multiverse narra três aventuras distintas que irão se fundir próximo ao final da série, e em geral tratam da busca de um aspecto do Campeão Eterno conhecido como Silverskin assim como revelar sua ligação com as tramas apresentadas e com todos os campeões eternos da ficção do escritor inglês.

As histórias são Moonbeams & Roses, que apresenta personagens que apareceram no livro The Revenge of the Rose (1991) e Blood (1995). É desenhada por Walt Simonson (Orion, Thor) e bastante criticada por ser impenetrável para os leitores que não conhecem o ciclo de livros chamado The Second Either do autor. O recurso de utilizar o próprio autor como personagem da trama, que mostra um jogo de manipulação em vários níveis não funciona muito bem, mas talvez leitores que conheçam o ciclo por completo e se importem com os personagens achem a trama interessante. Basicamente a Rose do título está em uma luta para salvar o multiverso.

A segunda história é The Metatemporal Detective que traz Sir Seaton Begg como o investigador em uma trama à la Sherlock Holmes, envolvendo assassinatos e a fundação do Partido Nazista em uma Terra levemente diferente. Apesar de bastante simples em termos de narrativa, esta sequência é criticada pela escolha de Mark Reeves, um artista adequado à história, mas sem um traço de apelo comercial, sendo mais indicado ao mercado alternativo de quadrinhos.

A terceira história é Duke Elric, ilustrada por John Ridgway (Hellblazer –Pecados Originais, Hellraiser) e que traz uma aventura de Elric no Oriente Médio em cerca de 1000 a.D. Nota-se claramente que Elric após a conclusão de Stormbringer (publicado no Brasil como A espada diabólica, 1975), ressurgiu no Oriente Médio e viveu longas aventuras. Ao final, depois de encontrar o Silverskin e concluir a trama de toda a série, Elric retorna ao seu mundo místico original, encontrando inclusive um amigo querido que havia sido deixado para trás ao final da novela. A trama infelizmente, apesar da boa caracterização de Ridgway sofre com cortes abruptos e narrativa pouco estruturada. Indicado apenas para fãs muito radicais de Elric e Moorcock.

Multiverse em geral apresentava 12 páginas de Moonbeams & Roses (eventualmente 14 ou 16) e 4 a 6 páginas de The Metatemporal Detective e Duke Elric, eventualmente menos. A critica especializada admite que não é uma boa maneira de ser introduzido aos trabalhos de Moorcock, especialmente pelo espaço que a trama Moonbeams & Roses toma da série e ao fato que ela é mais hermética que as restantes.

Como conselho pessoal, aconselho aos leitores a pularem a série e irem direto para Elric The Making of a sorcerer (2004) também escrita pelo próprio Moorcock e desenhada por Walt Simonson, que é melhor estruturada e tem uma narrativa baseada em início, meio e fim, bastante compreensível para o leitor de quadrinhos médio e é capaz de introduzir adequadamente os personagens para os leitores que não os conhecem, sem dificuldade alguma.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…