Pular para o conteúdo principal

A trilogia do Sprawl, II: Count Zero

Longe da inovação do primeiro romance – NeuromancerCount Zero (William Gibson, Aleph Editora, ISBN 978-85-7657-050-9, tradução de Carlos Angelo, 1ª edição maio de 2.008, 1ª reimpressão novembro de 2.009), a segunda parte da Trilogia do Sprawl lançado originalmente nos EUA em 1986, peca excessivamente em ser o "romance do meio", aquele que depois da apresentação dos personagens no volume anterior, tem que criar uma situação para um final "bombástico". Por isso parecer ser um romance de condução: apresenta mais personagens, resolve uma trama local, mas os conduz para algo maior, à frente.

A história é contada sob a ótica de três personagens. Turner é um mercenário responsável por "resgatar" um cientista de uma empresa e o entregar para outra, mostrando que neste futuro as relações trabalhistas são sempiternas. Marly Krushkhova é uma agente de arte com um passado sujo que é contratada por um zilionário para encontrar um objeto misterioso, quase místico, e Bobby Newmark – o Count Zero do título – é um cowboy inexperiente que teve uma experiência de quase morte quando entrou na matrix. Colando toda esta trama há a aparição de pedaços do código da matrix que assumem o comportamento de deuses vodu.

Por trás disso tudo: uma novíssima tecnologia de biochip que interessa às duas corporações rivais que permeiam a trilogia.

Apesar de toda a trama fazer sentido ao final, durante a jornada as partes são por demais desconexas e bastante cinematográficas, como o resgate do cientista e a viagem para a Sprawl, uma decisão do mercenário que só ganha sentido quando sabemos tudo que está acontecendo. Toda a trama da agente de arte também tem um quê de efêmero, deslocado, quase infantil, afinal uma trama de um zilionário que consede crédito ilimitado para que se consiga uma "caixa" tem algo que remete ao desejo infantil de sucesso e de estar com as pessoas certas.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…