Pular para o conteúdo principal

Review: A dança dos dragões

Com a decisão do autor em dividir O festim dos corvos e A dança dos dragões com tramas que se concentram em Porto Real no primeiro e tramas que se concentram além de Westeros no segundo, fica-se com a sensação de que teríamos que esperar muito para a solução de tramas com Cersei e Arya Stark.

Não temos. A partir da página 600 – a 1ª edição tem 801 páginas, sem os apêndices – começam a surgir alguns capítulos para estes personagens, indicando que as tramas se aproximaram.

Há uma certa decepção nas tramas envolvendo estas duas personagens: o autor cancela sutilmente os eventos do fim de “O festim dos corvos” apenas dando corda e voltando habilidosamente à última instância. Pareceu-me repentino.

Mas o quê acontece em A dança dos dragões?

Na Muralha, Jon Snow passa a fazer associações com os selvagens de modo a protegê-los dos mortos que caminham. Isso torna-o extremamente impopular entre seus irmãos, especialmente em tempos de dificuldades e com um rigoroso inverno à porta. Muitos comentam que o jovem não tem experiência suficiente para comandar a Patrulha e, ao permitir que Stannis Baratheon ocupe castelos, Jon é visto como traidor do Trono de Ferro.

Em Meereen, Daenerys não consegue controlar nem seus dragões, nem seu reino conquistado. Os primeiros ela prende, mas para o segundo terá que casar-se de modo a fazer um governo de coalização. E sempre ficará a dúvida se deveria abrir mão destes reinos e partir para sua terra natal, onde supostamente a população estaria disposta a lutar por ela.

Davos Seaworth e Bran Stark tem poucos capítulos, deixando o restante do livro para Tyrion e Fedor. Davos e aprisionado por simpáticos ao Trono de Ferro e talvez não sobreviva para ver seu rei, Stannis na cadeira de rei de Westeros. Já Bran, rompido a Muralha passa a iniciar uma jornada espiritual finalmente encontrando o Corvo de 3 Olhos.

O anão Lannister vai para Pentos e inicia uma longa jornada para se unir à mãe dos dragões, jornada que será interrompida e depois reiniciada, fazendo com que Jorah Mormont, torne-se coadjuvante de suas tramas.

Mas será nas tramas de Tyrion que iremos ter contato com a revelação de que Daenerys não é a única Targaryen viva e que este outro Targaryen deseja conquistar Westeros para impressionar a tia e casar-se com ela – sim, como os leitores sabem os casamentos consaguíneos sempre foram comuns na realeza e especialmente entre os Targaryen. Acordo antigos também são revelados e tramas sórdidas contra Daenerys são postas em andamento.

Já Fedor é um prisioneiro do Forte do Pavor que irá narrar eventos em Winterfell e o confronto entre Stannis e o atual auto proclamado senhor do norte. É uma trama profundamente baseada na humilhação, na expectitativa e na expiação por pecados pregressos.

A grande diferença é que as tramas realmente param em um momento de tensão dramática. As tramas de Jon e Daenerys realmente param em momentos chaves para seus personagens e a partir de agora a espera será dramática, afinal o próximo livro “The winds of winter” ainda não tem prazo para ser concluso.

Como as Crônicas de Gelo & Fogo tem uma trama delineada para (atuais) sete volumes, não faz sentido para neófitos. Quem quiser ouvir esta canção que que iniciar do primeiro volume.



As crônicas de gelo & fogo
Vol
Título
01
02
03
04
05
A dança dos dragões
06

07


Também de George R R Martin, autor d'As crônicas de gelo & fogo: A morte da luz (aqui).

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…