Pular para o conteúdo principal

Review: A dança dos dragões

Com a decisão do autor em dividir O festim dos corvos e A dança dos dragões com tramas que se concentram em Porto Real no primeiro e tramas que se concentram além de Westeros no segundo, fica-se com a sensação de que teríamos que esperar muito para a solução de tramas com Cersei e Arya Stark.

Não temos. A partir da página 600 – a 1ª edição tem 801 páginas, sem os apêndices – começam a surgir alguns capítulos para estes personagens, indicando que as tramas se aproximaram.

Há uma certa decepção nas tramas envolvendo estas duas personagens: o autor cancela sutilmente os eventos do fim de “O festim dos corvos” apenas dando corda e voltando habilidosamente à última instância. Pareceu-me repentino.

Mas o quê acontece em A dança dos dragões?

Na Muralha, Jon Snow passa a fazer associações com os selvagens de modo a protegê-los dos mortos que caminham. Isso torna-o extremamente impopular entre seus irmãos, especialmente em tempos de dificuldades e com um rigoroso inverno à porta. Muitos comentam que o jovem não tem experiência suficiente para comandar a Patrulha e, ao permitir que Stannis Baratheon ocupe castelos, Jon é visto como traidor do Trono de Ferro.

Em Meereen, Daenerys não consegue controlar nem seus dragões, nem seu reino conquistado. Os primeiros ela prende, mas para o segundo terá que casar-se de modo a fazer um governo de coalização. E sempre ficará a dúvida se deveria abrir mão destes reinos e partir para sua terra natal, onde supostamente a população estaria disposta a lutar por ela.

Davos Seaworth e Bran Stark tem poucos capítulos, deixando o restante do livro para Tyrion e Fedor. Davos e aprisionado por simpáticos ao Trono de Ferro e talvez não sobreviva para ver seu rei, Stannis na cadeira de rei de Westeros. Já Bran, rompido a Muralha passa a iniciar uma jornada espiritual finalmente encontrando o Corvo de 3 Olhos.

O anão Lannister vai para Pentos e inicia uma longa jornada para se unir à mãe dos dragões, jornada que será interrompida e depois reiniciada, fazendo com que Jorah Mormont, torne-se coadjuvante de suas tramas.

Mas será nas tramas de Tyrion que iremos ter contato com a revelação de que Daenerys não é a única Targaryen viva e que este outro Targaryen deseja conquistar Westeros para impressionar a tia e casar-se com ela – sim, como os leitores sabem os casamentos consaguíneos sempre foram comuns na realeza e especialmente entre os Targaryen. Acordo antigos também são revelados e tramas sórdidas contra Daenerys são postas em andamento.

Já Fedor é um prisioneiro do Forte do Pavor que irá narrar eventos em Winterfell e o confronto entre Stannis e o atual auto proclamado senhor do norte. É uma trama profundamente baseada na humilhação, na expectitativa e na expiação por pecados pregressos.

A grande diferença é que as tramas realmente param em um momento de tensão dramática. As tramas de Jon e Daenerys realmente param em momentos chaves para seus personagens e a partir de agora a espera será dramática, afinal o próximo livro “The winds of winter” ainda não tem prazo para ser concluso.

Como as Crônicas de Gelo & Fogo tem uma trama delineada para (atuais) sete volumes, não faz sentido para neófitos. Quem quiser ouvir esta canção que que iniciar do primeiro volume.



As crônicas de gelo & fogo
Vol
Título
01
02
03
04
05
A dança dos dragões
06

07


Também de George R R Martin, autor d'As crônicas de gelo & fogo: A morte da luz (aqui).

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!