Pular para o conteúdo principal

Os maiores clássicos de Thor de Walt Simonson

Sou um grande fã da Panini e a cada ano fico mais satisfeito. É certo que ela não publica tudo que eu gostaria e na forma e velocidade. É certo que acho que a DC Comics tem pouca atenção, mas a editora coloca na praça encadernados e séries especiais muito legais.

Os maiores clássicos de...” é uma dessas séries. Baseado em “Marvel Visionaries” onde a editora americana publica a passagem de um autor por um personagem em vários encadernados, a série mostrou o “Demolidor de Frank Miller”, o “Quarteto Fantástico de John Byrne” e “O poderoso Thor de Walt Simonson”, além de encadernados com Homem-de-Ferro (Demônio da garrafa e Guerra de Armadura), Tropa Alfa (mais um de John Byrne), X-Men (que teve cinco “Os maiores clássicos”, mas encadernados de fases distintas), Homem-Aranha, Hulk e Capitão América (uma excelente fase nas mãos de Roger Stern & John Byrne). Byrne, o autor que individualmente mais teve “Os maiores clássicos” teve também edições com Os Vingadores da Costa Oeste, apesar de sua festejada passagem em Quarteto e também na Tropa Alfa ainda estarem inconclusas no novo formato.

A leitura destes encadernados permite ao leitor o contato com muito da melhor produção da Marvel nos anos 1.980 e não posso deixar de felicitar a conclusão de “Os maiores clássicos de O poderoso Thor de Walt Simonson” que em cinco volumes – e 1.000 páginas – cobriu toda a fase do genial autor à frente do deus nórdico, com direito, inclusive à minissérie de Balder. É um passeio que se inicia com a Saga de Surtur, a chegada de Bill Raio Beta e o fim da identidade de Donald Blake, mostra um tie-in com Massacre dos Mutantes, uma descida ao Inferno nórdico e finalmente a maldição de Hela (deusa das profundezas naquela mitologia) sob o belo guerreiro de Asgard.

Todas estas aventuras foram publicadas pela Editora Abril em formatinho, mas enche os olhos o esmero da edição e a satisfação de ter a coleção em um tratamento mais adequado, seja na cor, no papel, no formato ou na tradução.

Se há um grande ganho com toda a produção de filmes do Marvel Studios e a exploração das franquias dos Vingadores, X-Men e Aranha no cinema, é a possibilidade de reapresentar estes personagens e suas aventuras clássicas para uma nova audiência e assim permitir que as editoras invistam em republicações.

Que venham outros por que a série está muito parada.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!