Pular para o conteúdo principal

Os maiores clássicos de Thor de Walt Simonson

Sou um grande fã da Panini e a cada ano fico mais satisfeito. É certo que ela não publica tudo que eu gostaria e na forma e velocidade. É certo que acho que a DC Comics tem pouca atenção, mas a editora coloca na praça encadernados e séries especiais muito legais.

Os maiores clássicos de...” é uma dessas séries. Baseado em “Marvel Visionaries” onde a editora americana publica a passagem de um autor por um personagem em vários encadernados, a série mostrou o “Demolidor de Frank Miller”, o “Quarteto Fantástico de John Byrne” e “O poderoso Thor de Walt Simonson”, além de encadernados com Homem-de-Ferro (Demônio da garrafa e Guerra de Armadura), Tropa Alfa (mais um de John Byrne), X-Men (que teve cinco “Os maiores clássicos”, mas encadernados de fases distintas), Homem-Aranha, Hulk e Capitão América (uma excelente fase nas mãos de Roger Stern & John Byrne). Byrne, o autor que individualmente mais teve “Os maiores clássicos” teve também edições com Os Vingadores da Costa Oeste, apesar de sua festejada passagem em Quarteto e também na Tropa Alfa ainda estarem inconclusas no novo formato.

A leitura destes encadernados permite ao leitor o contato com muito da melhor produção da Marvel nos anos 1.980 e não posso deixar de felicitar a conclusão de “Os maiores clássicos de O poderoso Thor de Walt Simonson” que em cinco volumes – e 1.000 páginas – cobriu toda a fase do genial autor à frente do deus nórdico, com direito, inclusive à minissérie de Balder. É um passeio que se inicia com a Saga de Surtur, a chegada de Bill Raio Beta e o fim da identidade de Donald Blake, mostra um tie-in com Massacre dos Mutantes, uma descida ao Inferno nórdico e finalmente a maldição de Hela (deusa das profundezas naquela mitologia) sob o belo guerreiro de Asgard.

Todas estas aventuras foram publicadas pela Editora Abril em formatinho, mas enche os olhos o esmero da edição e a satisfação de ter a coleção em um tratamento mais adequado, seja na cor, no papel, no formato ou na tradução.

Se há um grande ganho com toda a produção de filmes do Marvel Studios e a exploração das franquias dos Vingadores, X-Men e Aranha no cinema, é a possibilidade de reapresentar estes personagens e suas aventuras clássicas para uma nova audiência e assim permitir que as editoras invistam em republicações.

Que venham outros por que a série está muito parada.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…